Sociedade

Mercado municipal pode reabrir no sábado

Escrito por Luís Martins

Incêndio destruiu área da charcutaria e zonas circundantes, tendo obrigado ao fecho do espaço desde sexta-feira para limpeza e peritagens. Câmara ponderou montar estrutura temporária, mas desistiu devido aos custos

O mercado municipal da Guarda deverá reabrir «até ao fim de semana», sete dias depois de ter sido encerrado devido a um incêndio na zona da charcutaria. Segundo Sérgio Costa, vice-presidente da autarquia, a reabertura será parcial.
«Não será na totalidade porque houve partes totalmente destruídas pelas chamas. A nossa estimativa é que parte do espaço possa voltar a funcionar por estes dias», disse o também vereador com o pelouro da Proteção Civil. O incêndio ocorreu na madrugada da passada sexta-feira, não sendo ainda conhecidas as causas, e provocou danos avultados em estruturas e a destruição de produtos como queijos e charcutaria. «Os prejuízos são de largos milhares de euros com bancas, arcas frigoríficas e produtos alimentares destruídos. Mas ainda é extemporâneo avançar com um valor porque ainda não temos os resultados das peritagens das seguradoras», adianta o responsável. Também o encerramento do mercado municipal poderá dar lugar ao pagamento de compensações aos comerciantes afetados, sendo que a Câmara vai analisar «todas as situações» numa fase posterior.
«As peritagens estão terminadas, bem como a limpeza dos detritos, e já foram realizadas as vistorias do veterinário municipal e do delegado de saúde. O importante agora é abrir o mais rapidamente possível e recuperar as áreas danificadas», sublinha Sérgio Costa. Perante o fecho do espaço comercial, o vice-presidente confirma que a autarquia ainda ponderou «a deslocação de bancas para outros pontos da cidade e até a montagem de uma estrutura no parque de estacionamento do mercado». Contudo, nenhuma dessas hipóteses avançou: «Instalar uma tenda levaria mais tempo do que a limpeza do edifício e seria também mais dispendioso, pelo que não faria sentido», assume o vereador, adiantando que os comerciantes já foram informados da reabertura do mercado municipal «previsivelmente no fim-de-semana».
Quem já se pronunciou sobre a situação foi o grupo do PS na Assembleia de Freguesia da Guarda, que se solidarizou com os comerciantes e lamentou a falta de «uma alternativa célere e provisória» ao espaço, nomeadamente no mercado de S. Miguel, na Guarda-Gare. Os socialistas esperam também conhecer os resultados das perícias ao sinistro para perceber se foram acauteladas «todas as medidas de segurança previstas para os espaços públicos» na intervenção realizada pela Câmara no mercado municipal e que na sua reabertura a 14 de março de 2015. «Ou se se tratou apenas de uma operação de cosmética dedicada a garantir uma nova aparência ao espaço, esquecendo problemas estruturais e de segurança», alerta o PS, que lamenta não ter sido ainda dada «a devida atenção» ao espaço do mercado de S. Miguel, que «continua a aguardar uma resposta urgente para dar conta dos vários problemas com que se depara». Confrontado por O INTERIOR, Sérgio Costa respondeu que o mercado municipal está dotado de um sistema de alarme fixo e é vigiado por seguranças.

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta