Região

«É a criação de emprego que nos move», diz Esmeraldo Carvalhinho

Escrito por Jornal O Interior

Unidade fabril vai ocupar 2.256 metros quadrados no Complexo Multiusos da SOTAVE, propriedade da autarquia

Uma empresa de bebidas não alcoólicas e de café vai instalar-se no complexo multiusos da SOTAVE, em Manteigas, e criar 20 postos de trabalho numa fase inicial. O projeto foi divulgado pelo município que, na sexta-feira, assinou com a Condição Tempo, S.A., a entidade promotora do investimento, um contrato de arrendamento de 2.256 metros quadrados naquele espaço.

Segundo Esmeraldo Carvalhinho, presidente da autarquia serrana, o contrato vigora pelo período de 20 anos e foi celebrado no âmbito do Regulamento de Cedência de Espaços Municipais, sendo propósito da empresa produzir e distribuir refrigerantes, bem como outras bebidas não alcoólicas, e comercializar café. Em contrapartida, o município cede o espaço isentando o investidor do pagamento de rendas durante um período de carência, findo o qual serão cobrados «valores simbólicos». A autarquia atribui ainda apoios à criação de postos de trabalho e concede bonificações no pagamento de taxas e tarifas municipais. «O projeto prevê criar no curto prazo 20 postos de trabalho e contamos que cresçam em número significativo no futuro. É a criação de emprego que nos move porque o concelho bateu no fundo com a crise dos têxteis e não queremos voltar a passar por isso», refere o autarca.

Esta será a segunda empresa a sediar-se nas antigas instalações da SOTAVE, a centenária fábrica têxtil que encerrou em setembro de 2005 deixando 160 pessoas sem trabalho. «A Câmara comprou os edifícios em 2010 e tem vindo a ocupá-los à medida das necessidades. Atualmente uma empresa de confeções trabalha em cerca de 2.000 metros quadrados na produção de peças e vestuário em burel e é um caso de sucesso», destaca Esmeraldo Carvalhinho. A vinda desta nova unidade industrial é «uma boa notícia» para Manteigas e também «a prova» de que a estratégia de promoção e divulgação do concelho está a resultar. «Manteigas sofreu um rude golpe com o fecho das suas empresas têxteis e de lanifícios, pelo que estamos empenhados em diversificar o nosso tecido económico. O que está a acontecer não se verificava há dez anos. Hoje, a criação de postos de trabalho é uma realidade na pequena indústria, no comércio e nas unidades hoteleiras e de alojamento turístico», constata o presidente da Câmara.

O edil admite que há mais investimentos em perspetiva, mas escusa-se a revelar quais enquanto não se concretizarem. No caso da Condição Tempo, S.A., ainda não foi divulgado o valor do investimento previsto para a unidade de Manteigas, nem os prazos para o arranque da laboração. O que já se sabe é que os promotores vão gastar 180 mil euros na requalificação do espaço.

Sobre o autor

Jornal O Interior

Deixar uma resposta