Do precipício, ao passo em frente!

Escrito por Pedro Narciso

O concelho que até 2018, liderou de forma destacada, o índice municipal de bazófia, chegando até a anunciar a organização de uma cimeira Ibérica, que nunca ocorreu, não consegue em 2020, concluir a elevação da “profanação” da Torre dos Ferreiros, debater, com dois anos de atraso, o projeto de requalificação do Largo General João de Almeida (Misericórdia), decidir se quer alterar a Praça Velha, ou simplesmente escolher um terreno para um pavilhão multiusos. Sim, porque não se sabe onde, nem com que dinheiro, mas já há nome para ludibriar “aqueles” europeus que nos vão financiando os devaneios, da mesma forma que um príncipe nigeriano consegue financiamentos a partir de caixas de email de crentes no “overbooking” do vigário. Em 2020 a Guarda continuará a afirmar a sua capitalidade, mas do declínio transfronteiriço.

Os censos serão efetuados em 2021, mas não será necessário esperar um ano para observar a espiral demográfica recessiva. Os dados são mais evidentes que as fissuras na direção do LIVRE, mas não passamos da observação e preocupação com os mesmos. Na prática, quem pode e tem ferramentas para inverter esta sangria continua a acreditar que o Calcitrin Gel e uma ida ao professor Bambo tem os mesmos poderes mágicos que a ciência económica. Pode ser bonito ter amores perfeitos nas rotundas, com mais cores do que os casacos do armário do Manuel Luís Goucha, mas aposto que seria ainda mais apreciada por todos uma redução de IMI e uma devolução do IRS. É que, ninguém se fixa na Guarda por ser mais fácil degustar D. Sanchos aqui.

Como muito do trabalho que é feito também é contabilizado por alguns, pelo número e duração de morteiros lançados na passagem de ano, rapidamente surgiu uma publicação nas redes sociais a dar conta do assunto. Segundo a mesma, e sem qualquer fonte mencionada, o município da Guarda teria estoirado, literalmente, nada mais nada menos que 400.000 euros. Sem um doutoramento em aquisição de pirotecnia, atrevo-me a dizer que por esse valor o Irão conseguiria estar a atacar bases militares dos EUA no Iraque até ao Carnaval e ainda lhes sobrava dinheiro para a aquisição de tapetes voadores para a força aérea. As notícias falsas viralizam mais rápido que um surto de gripe no plantel do Setúbal e acabam por roubar o lugar de outras, verdadeiras urgências.

O valor pago pelos bancos da Rua do Comércio, na sua re re re inauguração por alguém não ter gostado dos bancos da requalificação, ficou por 5.000 euros cada. Mas parece não ter suscitado grandes dúvidas a ninguém, já que, com toda a certeza, terão um sistema de refrigeração e aquecimento de última geração. Agora, e depois de mais uma consulta ao portal Base, não percebi o porquê dos dois ajustes para o palco e áudio da passagem de ano 2019 ser menos de metade do valor adjudicado para a passagem de ano de 2018. Estaremos perante “dumping” dos palcos, artistas que aceitaram cantar este ano num galinheiro com uma luz de 20 Watts ou será que os DAMA são bem mais gordos que o Carlão? Um diferença Altamente!

Lisboa será a capital europeia verde em 2020. Para comemorar, na Guarda é prometida uma gestão arbórea sem medo. Guiados e iluminados pelo brilho da corrente da motosserra, muitas podas e nenhuma regulamentação. É mais fácil acenar com uma rearborização de centenas de árvores na VICEG para justificar os abates e a eliminação de caldeiras na cidade. Um assunto chato quando o que realmente importa nem o Oráculo de Bellini ainda sabe. Quem será o vencedor desta Guerra da balcanização do poder? Albaneses adeptos do estilo Enver Hoxha, montenegrinos ou estalinistas primários? Não será com uma corridinha no Polis que tudo se decidirá, mas o futuro da Guarda, esse, fica para depois.

Sobre o autor

Pedro Narciso

Deixar uma resposta