Região

Sabugal é o concelho com mais idosos sozinhos

Escrito por Luís Martins

Dados do Comando Territorial da GNR da Guarda revelam um aumento de 254 casos no município raiano relativamente a 2017. Os últimos “Censos Sénior” apontam também para menos 155 idosos a viver sozinhos e/ ou isolados no concelho da Guarda.

O Sabugal é o concelho do distrito da Guarda com mais idosos a viver sozinhos e/ ou isolados, de acordo com os “Censos Sénior” realizados em outubro de 2018. Segundo os dados do Comando Territorial da GNR, o município raiano registou um aumento de 254 casos relativamente ao ano anterior, quando foram sinalizadas 563 pessoas nessas condições.
Almeida, com 447 casos (mais 23 que em 2017), Trancoso, com 434 (mais 116), Pinhel, com 361 (menos 45), e Seia, com 329 (mais 6), são outros municípios com mais casos. Já Manteigas, com 41 (menos 22), e Mêda, com 55 (menos 7), são os municípios com menos idosos sozinhos e/ou isolados. Nesta atualização dos registos e identificação de novas situações relativamente ao ano anterior, a GNR assinalou ainda menos dois casos em Aguiar da Beira (125), menos 119 em Celorico da Beira (200), menos 24 em Figueira de Castelo Rodrigo (268), menos cinco em Fornos de Algodres (144) e mais 75 em Gouveia (282). Na Guarda as patrulhas sinalizaram, em outubro passado, menos 155 pessoas nessas condições (282) e em Vila Nova de Foz Côa foram menos 16 (223). No total distrital, a Guarda tinha 4.008 idosos a viver sozinhos, mais 79 que em 2017, e passou a ser o segundo distrito com mais situações identificadas nos “Censos Sénior”.
Na operação de 2018, os militares dos dez núcleos “Idosos em Segurança” espalhados pelo distrito sinalizaram também idosos que vivem em situação de vulnerabilidade devido «à sua condição física, psicológica, ou outra que possa colocar a sua segurança em causa». Os casos mais graves foram reportados às entidades competentes, sobretudo de apoio social, para que sejam acompanhados, refere o Comando Territorial da Guarda. Nesta ação a GNR privilegiou o contacto pessoal e sessões em sala para sensibilizar a população sénior para que evite comportamentos de risco e se tornem vítimas de furtos, roubos ou burlas. Concluídos os “Censos Sénior”, a GNR continua no terreno e na terça-feira entregou, com o apoio da EDP, calendários que incluem os contactos telefónicos da patrulha e do posto territorial mais próximo. Na zona das Panóias, próximo da Guarda, Elisa Fonseca, de 84 anos, vive sozinha – o filho reside em Coimbra – mas recebe frequentemente a visita da GNR e de funcionárias do centro de dia.
«Sinto-me mais segura, mas a GNR devia era passar durante a noite», afirma, contando pelos dedos da mão os seus vizinhos. «Antes eram mais, hoje já não há quase ninguém, mas quem ainda cá está é muito amiga», adianta Elisa Fonseca, que sabe o que fazer caso apareça alguém suspeito. Para o capitão Cláudio Saraiva, oficial de relações públicas do Comando Territorial da Guarda, além destes calendários e das patrulhas dos núcleos “Idosos em Segurança”, a GNR está a implementar no distrito, com o apoio de dez autarquias, um sistema de teleassistência que liga as casas de quem vive sozinho e/ ou isolado ao Comando. «Se houver movimentações, abordagens suspeitas ou se tiverem problemas de saúde, as pessoas só tem que carregar no botão para dar o alerta na “sala de situação” no Comando e ativar o envio de uma patrulha ao local», exemplifica o oficial, lembrando que os roubos, alguns com violência, os furtos e as burlas são os crimes a que os idosos estão mais sujeitos.
João Paulo Ferreira, subdiretor na área das redes e clientes da Serra da Estrela da EDP, acompanhou a GNR neste périplo para alertar os idosos que a empresa não faz cobranças porta-a-porta e que caso suspeitem de alguém devem contactar «de imediato» as autoridades. «Seja pela atuação da GNR, de outras entidades e também por algum controlo que temos efetuado, nos últimos anos tem-se verificado uma redução muito acentuada das burlas e ainda dos furtos de material ou cobre», adiantou o responsável. Na sua opinião, a GNR é também «uma parceira muito importante» da EDP para «assinalar clientes com necessidades especiais decorrentes de eventos extraordinários, como a tempestade “Leslie”, para garantirmos uma resposta rápida e eficaz ao problema referenciado».

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta