Roupa

Escrito por Diogo Cabrita

De bem, tão bom.
De mim para ti,
Já te dou.
Nem me lembra que dei,
Ver-te feliz,
Sei que fiz.

Para quê, porque vou?
Fui depois,
Mas não faltei.
Ninguém!
Já era depois.

Sou de luas.
Umas cheias, outras nuas.
Hoje roupa suja,
Amanhã não sei.

Sou sem,
Sou tua
Nunca desisti.
Roupa na gaveta.

Tu e não outro.
Não saí.
Nos dias maus voltei.
Roupa passada.

Esperei por ti
Quando pude.
Não te deixei,
Tinhas de escolher.

Como a roupa
Arrumada
Que não se mostra.
Aguarda.

Sobre o autor

Diogo Cabrita

Deixar uma resposta