A pedra lascada

Escrito por António Costa

Além do Homem, muitos animais, em especial outros primatas, utilizam instrumentos. Mas só o género Homo desenvolveu a tecnologia necessária para fabricar ferramentas. Transformar matéria-prima, como as pedras, para lhes dar uma utilização e, ao mesmo tempo, transformar outros objetos é uma capacidade adaptativa que nos define e nos distingue.
As pedras lascadas são a maior prova das capacidades tecnológicas dos nossos antepassados. Durante os primeiros estádios da evolução humana não há provas de tecnologia lítica e é desta forma que sabemos que espécies como o Ardipithecus ramidus, o Austrolopithecus afarensis, o Austrolopithecus anamensis e o Austrolopithecus africanus, não foram capazes de dar forma e utilidade às pedras.
O talhe sistemático da pedra com a finalidade de obter instrumentos parece ter sido um dos aspetos fundamentais da capacidade do género Homo para ocupar ambientes muito diversos e para aceder a novos recursos. As primeiras indústrias líticas têm 2,5 milhões de anos e procedem da estação arqueológica de Gona (Etiópia). Existem muitas mais estações arqueológicas ao longo do vale do Rift (Etiópia, Quénia, República Democrática do Congo, Tanzânia e Malawi) com uma antiguidade entre 2,5 e 2 milhões de anos e que estão, por conseguinte, associadas ao género Homo.
A indústria lítica divide-se nas diferentes técnicas, que se classificam por idades.
Técnica 1 – Olduvaiense: consiste em seixos e pedras lascadas sem forma normalizada e por lascas resultantes deste talhe. Tem um sistema de elaboração muito simples, a partir da percussão direta sobre o núcleo da pedra e quase sem retoques. É um método rápido e muito básico.
Técnica 2 – Achelense: surge há 1,6 milhões de anos e perdura até 200.000 e até há 150.000 anos. Pode caracterizar-se pela presença de instrumentos muito mais elaborados e simétricos: bifaces, lanças e pontas.
Técnica 3 – Mustierense: surgiu há cerca de 200.000 anos e perdurou até há 30.000 anos. A indústria é mais diversificada do que no Paleolítico Inferior. Está associada aos neandertais.
Técnica 4 – Paleolítico Superior: abrange um período compreendido entre os 40.000 e os 10.000 anos A.P. (em arqueologia significa Antes do Presente), e está associada aos humanos modernos. Durante o Paleolítico Superior elaborou-se uma grande quantidade de instrumentos com diversas matérias-primas como osso, corno, madeira e marfim.
Após o Paleolítico Superior desenvolve-se o Período Epipaleolítico ou Mesolítico (entre 100.000 e 5.000 anos A.P.), que se caracteriza pelo talhe de pequenas peças líticas (micrólitos). Por último, há cerca de 12.000 e até há 10.000 anos, descobre-se a agricultura e pecuária, iniciando-se o período Neolítico.
A economia baseada na caça e na recoleção dá origem a economias de produção que transformaram irreversivelmente a vida do Homem na Terra.

Sobre o autor

António Costa

Deixar uma resposta