Política

Eleitos do PS na Guarda «indignados» com nomeação de Pedro Pires para adjunto da secretária de Estado da Ação Social vão renunciar aos mandatos

Escrito por Luís Martins

A polémica está instalada no seio do PS da Guarda com a nomeação de Pedro Pires para adjunto da secretária de Estado da Ação Social e já provocou uma baixa. Anabela Pereira, eleita socialista na Assembleia de Freguesia de Gonçalo – terra natal de Pedro Pires – anunciou que vai renunciar ao mandato e suspender a militância.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, a deputada critica a nomeação de «alguém que foi eleito nas últimas autárquicas para membro da Assembleia de Freguesia numa lista opositora ao PS e que teve o apoio do PSD». Anabela Pereira recorda também que o ex-presidente da Junta de Gonçalo eleito pelo PS foi «um dos responsáveis pelo aparecimento de uma candidatura independente nas autárquicas de 2013 que dividiu o partido e entregou a Câmara da Guarda ao PSD».

A militante acusa ainda Pedro Pires de, enquanto presidente da Assembleia de Freguesia de Gonçalo, ter «hostilizado e atacado politicamente» os deputados do PS, pelo que considera a sua nomeação «um insulto a quem “deu a cara” pelo partido nas difíceis eleições autárquicas de 2017, quando muitos se “esconderam” e outros “viraram a casaca”».

O INTERIOR sabe que a maior parte dos eleitos do PS na Assembleia de Freguesia de Gonçalo também vão renunciar ao mandato, uma decisão que já está a ser ponderada por militantes socialistas e simpatizantes eleitos noutras freguesias e na cidade nas últimas autárquicas. A «indignação» terá também «repercussões» no grupo parlamentar do partido na Assembleia Municipal da Guarda, que se traduzirão em mais suspensões e renúncias nos próximos dias.

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta