Cultura

Nina Simone

Escrito por Jornal O Interior

Revelou em criança o seu dom para a música ao conseguir reproduzir espontaneamente no piano obras que conhecia de ouvido. Os seus pais, ao aperceberem-se da sua vocação, encontraram na sua localidade natal, na Carolina do Norte, uma professora de piano que a educou com uma formação musical clássica.
Apesar de ser uma excelente aluna, o seu sonho de seguir uma carreira de pianista clássica terminou abruptamente ao ser-lhe negada a entrada no altamente prestigiado Curtis Institute of Music, o que foi lhe foi muito doloroso porque o dinheiro necessário para a sua candidatura tinha sido angariado por iniciativa das pessoas da sua própria comunidade, que reconheciam a sua qualidade musical e a queriam generosamente lançar no mundo da música.
Foi então que Nina Simone, cujo nome original era Eunice Kathleen Waymon, de forma a ter um salário para viver da música, começou a dar espetáculos em bares noturnos e, como estes só estavam interessados em músicos vocalistas, viu-se forçada a começar a cantar. É curioso como essa porta que na sua vida se fechou lhe abriu o caminho para outras experiências que a sagrariam uma das maiores músicas de jazz e soul de sempre.
A sua atividade principal a partir deste momento era tocar e cantar as suas gloriosas versões de canções de outros músicos. Misturava o clássico, o jazz, o pop e o soul, fundindo livremente estes estilos e criando uma nova linguagem musical com uma marca artística inconfundivelmente sua. O seu objetivo, segundo as suas próprias palavras, era levar o público a sentir emoção profunda, o que de facto sucedia em todos os seus espetáculos ao vivo e que felizmente ainda pode suceder connosco, através das suas inúmeras gravações que temos disponíveis.
Apesar de se ter inicialmente abstido de utilizar a sua música para fins políticos, as ocorrências de extrema violência que viu suceder nos Estados Unidos nas décadas de 50 e 60 levaram-na a dedicar-se cada vez mais a canções de ativismo social e político, revolucionárias, feministas e antirracistas, e a juntar-se ao movimento “Civil Rights Movement”. Apesar de isso ter colocado em risco a sua carreira, nunca desistiu de cantar livremente sobre o racismo com canções como “Mississipi Goddam” e “To Be Youg, Gifted & Black”, que se tornaram referências mundiais da sua luta.

Joana C. Pereira

Sobre o autor

Jornal O Interior

Deixar uma resposta