Quinta das Minas da Recheira

Após várias trocas de acusações, entre a Câmara Municipal da Covilhã e Luís Sabido, porta-voz do projeto turístico que pretendia dinamizar as antigas minas de estanho e volfrâmio no Barco, Covilhã, foi anunciado que os investidores iriam desistir do empreendimento. Luís Sabido deu a conhecer o caso e deslocou-se à reunião do executivo para se fazer ouvir publicamente (embora não o tenha conseguido, por ter chegado depois do tempo), nega agora qualquer responsabilidade na decisão tomada pelos investidores. Após tantas queixas de «ilegalidade» e «desconhecimento da lei» por parte da autarquia covilhanense, fica no ar a dúvida sobre as razões que levaram a esta aparente e repentina desistência do investimento.

Sobre o autor

Jornal O Interior

Deixar uma resposta