Economia Especial Ranking Maiores Empresas

«Ranking das 50 maiores espelha boa performance das empresas»

Escrito por Jornal O Interior

A opinião de Paulo Fragoso, inserida num especial de O Interior dedicado às maiores empresas dos distritos da Guarda e Castelo Branco

Os dados conhecidos e publicados, referentes a 2018, revelam um crescimento médio no volume de negócios, que em Castelo Branco ronda os 4,9% e na Guarda os 3,5%, face ao período homólogo do ano anterior.
Em termos agregados, as 50 maiores empresas do distrito de Castelo Branco ultrapassam em volume de negócios os 1,3 mil milhões de euros, dos quais 32,2% resultam de exportações, empregando 7.636 pessoas.
Já no distrito da Guarda as 50 maiores empresas ultrapassam os 1,1 mil milhões de euros, avindo 32,5% de exportações, dando emprego a mais de 5.612 pessoas. Faltando neste cômputo de trabalhadores os que dizem respeito às Águas do Vale do Tejo SA, que se encontram incorporados na EPAL em consequência da gestão nela delegada.
A empresa Coficab destaca-se pelos valores económicos apresentados, tendo um volume de negócios que ultrapassa os 234 milhões de euros, continuando a consolidar forte crescimento anual e aparecendo mesmo no 118º lugar das 1.000 maiores empresas da economia portuguesa, segundo a mesma fonte informativa. Aliás, para além da Coficab, o distrito da Guarda coloca ainda neste ranking nacional a EST – Empresa Senense de Tabacos, a Águas do Vale do Tejo e a Dura Automotive.
Neste ranking das 50 maiores para a Guarda encontram-se várias empresas com crescimento do volume de negócios acima dos 30%, face ao ano anterior: Floponor (Trancoso), HEN (Guarda), Olipal (Sabugal), PABI (Pinhel) e Floresta Bem Cuidada (Guarda). Estando em sentido contrário, com forte decréscimo do volume de negócios, a Patrimus Indústria (Seia) e a Avys Wholesale, sendo que esta última já se encontra com a sede social modificada para Lisboa.
Castelo Branco consegue colocar cinco empresas no ranking das 1.000 maiores empresas da economia portuguesa: Celtejo, Danone Portugal, Navigator Tissue Ródão, Schreiber Foods Portugal e a Frulact. Destaca-se a Celtejo, que no ranking distrital está em primeiro lugar com um volume de negócios superior a 129 milhões de euros, tendo conseguido um crescimento que ronda os 7%.
Destacam-se ainda, com crescimentos superiores a 30%, as empresas Paperprime, Beralt Tin and Wolfram, Twintex, Fitecom, A. F. Carreto & Filhos, Transportes Eduardo Cardoso, José Lourenço & Filhos, Good Mood, Bring Focus 2 Coup e a Norsnack, empresa constituída em meados de 2017. Já em sentido contrário, com decréscimo do volume de negócios, encontra-se a empresa Unitom, sendo ainda de referência o decréscimo verificado na empresa Navigator Tissue Ródão, atendendo ao valor absoluto que tal representou.
Referência positiva para a A. Matoscar Beiras, que foi a única presente nos dois rankings a receber o distintivo de empresa “Gazela” para o ano em apreço.
No computo dos dois distritos temos 100 empresas das 1.189.119 unidades ativas em Portugal continental que, segundo dados do anuário estatístico da região Centro do ano 2018 publicado pelo INE, puxam muito para cima uma média que, a nível nacional, lê-se no anuário, indica 3,2 pessoas ao serviço por empresa e 304.200 euros de volume de negócios por empresa.

* Contabilista Certificado da OCC, Data Protection Officer (DPO) e ex-administrador do IPG

Sobre o autor

Jornal O Interior

Deixar uma resposta