Sociedade

Guarda: Ciclovia volta a concurso por 3 milhões de euros

Escrito por Sofia Craveiro

Anúncio foi feito durante a última reunião do executivo.
A sessão ficou ainda marcada por denúncia de cidadão sobre outras obras a decorrer sem licença na Guarda-Gare

Na última sessão de câmara, o executivo guardense aprovou, por unanimidade, a abertura de um novo concurso público para a construção da ciclovia/ pedovia ao longo da VICEG, tendo o preço-base aumentado dos 2,1 milhões de euros iniciais para os 3 milhões.

Na segunda-feira a Câmara deliberou adjudicar à empresa João Tomé Saraiva, por pouco mais de 1,8 milhões de euros, a requalificação arruamentos do eixo Avenida Dr. Afonso Costa, Avenida Alexandre Herculano, Rua Soeiro Viegas e Alameda de Santo André. «É uma obra do PEDU – Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano, aprovado há dois anos e que tem 12 milhões de euros de financiamento garantido. O dinheiro está disponível e temos agora condições para avançar com esta e outras empreitadas», afirmou o autarca.

O executivo aprovou também a atribuição de um apoio de 15 mil euros à Associação Cultural e Recreativa de Fernão Joanes para a construção de uma pista de supercrosse no antigo campo de futebol da localidade. Segundo a autarquia, o projeto já assegurou um financiamento de 13.500 euros do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

A reunião ficou ainda marcada pela intervenção Cristina Correia, que transmitiu uma denúncia de um cidadão sobre obras a decorrer sem licença numa área confinante com a Rua do Repouso, na Guarda-Gare, e que se destinarão à criação de um parque TIR de uma empresa de transportes. «A maioria, pelos vistos, sabe da situação, mas deixou arrastar e só recentemente embargou a obra. Contudo, há relatos de pessoas da vizinhança que dizem que os trabalhos continuam», alertou a vereadora socialista. «Não percebo como se permite aquela obra nas proximidades de uma zona residencial e numa altura em que há um parque de estacionamento para camiões na plataforma logística», acrescentou Cristina Correia, que quer conhecer o processo.

Sobre o autor

Sofia Craveiro

Deixar uma resposta