Região

“Laboratório de Rio” criado na Ribeira das Cabras

Escrito por Jornal O Interior

A reabilitação e requalificação dos ecossistemas ribeirinhos prossegue na Ribeira das Cabras e na envolvente à Barragem de Vascoveiro

Intervenção representou um investimento de cerca de 120 mil euros

As obras de reabilitação e requalificação dos ecossistemas ribeirinhos em curso no concelho de Pinhel consistiram na aplicação de medidas de proteção dos recursos hídricos a implementar nas áreas afetadas pelos incêndios ocorridos no ano de 2017, na região Norte de Portugal. As intervenções foram objeto de candidatura por parte da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) ao Fundo Ambiental.
O investimento rondou os 120 mil euros, financiados na totalidade pela APA, e a intervenção esteve a cargo do município de Pinhel, no âmbito de um protocolo de colaboração com aquela associação. No concelho de Pinhel estes trabalhos estão a ser levados a cabo na envolvente à Barragem de Vascoveiro e na Ribeira das Cabras, desde a Atalaia até Pínzio. A intervenção contemplou cerca de seis quilómetros ao longo do percurso da Ribeira das Cabras. As obras consistem na aplicação de técnicas de engenharia natural, cujos objetivos e princípios são «garantir o escoamento nas linhas de água, minimizar a erosão e o arrastamento dos solos, bem como o efeito das cheias e inundações». Outro desígnio é contribuir para a proteção e recuperação da qualidade da água e permitir a recuperação as atividades sociais e ambientais associadas aos rios e ribeiras, refere o Gabinete de Ambiente da autarquia.
Já as técnicas usadas consistiram no corte e remoção de material vegetal arbóreo e arbustivo ardido, na reposição/ reabilitação da galeria ripícola (plantação e/ou sementeira de espécies autóctones) e no recurso a «faxinas, entrançados, estacaria viva, formação de pinhas para compostagem local, passagens hidráulicas, travessões de madeira e biorolos». Estas técnicas fazem uso dos materiais que são cortados no local, promovendo a reutilização dos materiais de forma a criar condições de manutenção dos ecossistemas naturais das margens dos cursos de água. O projeto contempla também a construção de um “Laboratório de Rio”, junto à ponte do Freixo, na Ribeira das Cabras, para representar «todas as técnicas de engenharia natural que serão aplicadas ao longo deste curso de água e também na envolvente à Barragem de Vascoveiro», acrescenta a mesma fonte a O INTERIOR.
A zona intervencionada (Safurdão e Atalaia) está cheia de azinheiras e carvalhos, que cresceram espontaneamente e que representam uma mancha de floresta autóctone no seu estado natural. A presença destas espécies arbóreas potencia a existência de um solo mais protegido e mais desenvolvido, contribuindo para a regularização dos recursos hídricos. «Estas espécies opõem-se às outras, como o eucalipto, que esgotam as reservas de água do solo e destroem a estrutura do mesmo», sustenta o Gabinete de Ambiente da Câmara de Pinhel. «A boa qualidade ambiental destes ecossistemas é bem visível pela quantidade de líquenes que existem nos troncos, por exemplo, dos carvalhos. Os líquenes são associações de uma alga com um fungo e vivem associados numa reação de simbiose. A característica mais importante é que são bioindicadores, isto é, dizem-nos que a qualidade ambiental dos locais onde surgem é boa. Os líquenes são de tal forma sensíveis que só surgem onde a qualidade do ar é isenta de poluição», conclui aquele serviço municipal.

Sobre o autor

Jornal O Interior

Deixar uma resposta