Cultura

Dificuldades financeiras põem fim ao festival Mêda+

Escrito por Luís Martins

À beira de cumprir dez anos, o evento já não se realizará porque a organização não tem recursos para pagar dívida resultante da edição de 2018

Chegou ao fim o único festival de Verão realizado no interior. O Mêda+, que cumpriria em 2019 a décima edição, já não se vai realizar devido a dificuldades financeiras, anunciaram os promotores na sexta-feira.
Pedro Rebelo Pereira, dirigente da Associação Juvenil Mêda+, confirmou que o evento vai acabar porque, no ano passado, a organização não conseguiu «cumprir o pagamento a todos os fornecedores e vimo-nos, pela primeira vez em nove anos, numa situação de dívida». A autarquia da Mêda foi chamada a ajudar na resolução deste problema, mas o apoio extraordinário solicitado foi rejeitado, não tendo também sido possível encontrar um patrocínio privado para a próxima edição. «A solução para este problema ainda está a ser resolvida em conjunto com a Câmara Municipal e os vereadores da oposição, mas o valor em falta só servirá para resolver pagamentos anteriores a fornecedores e terminar o Mêda+ com a imagem limpa e a consciência tranquila», reitera Pedro Rebelo Pereira, sublinhando que nestas condições a continuação do festival é um cenário que «não está em cima da mesa».
O responsável esclarece que a organização optou por não revelar o valor da dívida porque «essa informação, sem todo o contexto, não ajudaria a solucionar a questão». De resto, sublinha que «estamos a fazer um esforço muito grande para honrar todos os nossos compromissos». De acordo com Pedro Rebelo Pereira, na última edição o apoio municipal foi de 20 mil euros e o restante orçamento proveio de receitas próprias. Na sua página de Facebook, os promotores do Mêda+ deixaram uma mensagem de despedida lembrando que «foram quase 10 anos a tornar possível o impossível: organizar um festival de verão com o melhor da música alternativa portuguesa num concelho cada vez mais despovoado do interior do país».
«Valorizámos a região, pusemos a Mêda no mapa e trouxemos milhares de pessoas de todo o país para conhecer a nossa terra. Foi sempre mais do que um festival de verão: foi uma ideia de emancipação cultural, erguida voluntariamente por um grupo de jovens nos intervalos das aulas e do trabalho», recordam. Como último recurso, a associação está a promover uma campanha de donativos através (IBAN PT50 0035 0453 0001 4169 8300 8). Criado em 2010, pelo palco do Mêda+, que decorreu sempre no recinto da Santa Cruz, passaram alguns dos grupos emblemáticos da nova pop nacional, como os X-Wife, Mão Morta, Fonzie, Supernada, Wraygunn, Diabo na Cruz, Linda Martini, Capitão Fausto, Glockenwise, Tara Perdida, Paus, Orelha Negra, Best Youth, Moullinex, Samuel Úria, ou B Fachada, entre muitos outros.

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta