Política

Deputada do PS conseguiu fundos europeus para projetos familiares já concluídos

Escrito por Luís Martins

Hortense Martins, deputada do PS eleita pelo círculo de Castelo Branco, conseguiu um subsídio de 171 mil euros em 2010 para a construção de um “Centro de Lazer e Turismo Gastronómico”, um projeto familiar que já funcionava há dois anos, noticia o jornal “Público” esta segunda-feira.

Em 2013, apenas três anos depois, a deputada, que é líder do PS no mesmo distrito e mulher do presidente da Câmara local, Luís Correia, conseguiu mais 105 mil euros para uma unidade de turismo que também já estava a funcionar na altura em que a respetiva candidatura foi aprovada. Segundo o diário, a candidatura para obter financiamento foi feita através da Investel, empresa da qual Hortense Martins era gerente e que pertencia à família da deputada.

De acordo com o regulamento, a aprovação deste tipo de apoio determina que as despesas efetuadas só podem ser reembolsadas se o investimento em causa não estiver concluído à data de aprovação do pedido de financiamento, escreve o mesmo jornal.

Na presidência da Adraces, uma associação de desenvolvimento regional, responsável pela aprovação dos subsídios estava na altura Arnaldo Brás, vereador na Câmara de Castelo Branco, António Realinho, diretor executivo e coordenador da equipa técnica da associação que, desde 1992 até agosto do ano passado, acumulou essas funções com as de vice-presidente e com a gerência de múltiplas empresas. Realinho cumpre desde agosto de 2018 uma pena de quatro anos e meio de prisão por burla e falsificação em negócios relacionados com uma das suas empresas.

Ao “Público”, Hortense Martins não confirmou as reuniões com António Realinho e refere que «nunca contratou os serviços do mesmo». No entanto, o jornal dá conta de mais de uma dúzia de reuniões que foram registadas entre ambos. A deputada refere ainda que renunciou em 2011 à gerência da Investel.

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta