Região

Castanha é rainha em Trancoso

Escrito por Jornal O Interior

Certame organizado pelo município para homenagear produtores e promover um produto endógeno do concelho regressa este fim de semana ao pavilhão multiusos

A VIIª edição da Feira da Castanha e Sabores de Outono prossegue este fim de semana no pavilhão multiusos de Trancoso, numa organização do município. O destaque nos últimos dois dias do evento vai para a divulgação dos resultados dos concursos da melhor castanha, nas variedades Martaínha e Longal, e de doçaria de castanha.
O certame abriu portas na passada sexta-feira e é uma montra privilegiada para os produtores do concelho. «Esta feira é o nosso contributo para homenagear os produtores de castanha e promover este produto endógeno com grande impacto económico no concelho», disse o presidente da Câmara na cerimónia inaugural. Amílcar Salvador recordou que Trancoso possui a «maior produção» de castanha da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIMBSE) e é o único município do distrito da Guarda que integra a região demarcada DOP Soutos da Lapa. «Somos também um dos cinco maiores produtores a nível nacional nas variedades Martaínha e Longal. São 3.000 toneladas por ano», acrescentou o autarca, adiantando que esta atividade gera receitas da ordem dos 6 milhões de euros para os cerca de 900 produtores.
Presente na sessão, o diretor regional de Agricultura e Pescas do Centro (DRAPC), Fernando Martins, deu ainda mais destaque a Trancoso neste setor de atividade, revelando que é «o maior concelho produtor de castanha da área da Direção Regional». De resto, na sua opinião, a recente realização do Xº Encontro Europeu da castanha «é sintomático do trabalho e do estatuto de Trancoso nesta área», elogiou. Para Fernando Martins, além do «enorme impacto no rendimento» dos agricultores, a produção de castanha está também associada «a um sistema agroflorestal riquíssimo em termos económicos, sociais e naturais» que importa preservar perante as ameaças das alterações climáticas e das pragas.
O diretor regional sublinhou ainda que neste momento «há um défice enorme de castanha na Europa» e considerou que é um fruto «em expansão e com muita procura», pelo que incentivou os produtores a apostarem mais «na sustentabilidade e expansão» do negócio recorrendo aos apoios disponibilizados pelo Ministério da Agricultura. No certame, o quilo varia dos 2,5 euros aos 6 euros, consoante a qualidade do fruto. Nos últimos dois dias da Feira da Castanha e Sabores de Outono continuam os bailes populares, as sessões de “showcooking”, as conferências, os workshops e a animação musical – Toy atua no sábado à noite –, realizando-se no domingo de manhã um passeio micológico. Nessa tarde (16 horas) serão entregues os prémios aos produtores da melhor castanha Trancoso 2019 e ao melhor doce de castanha, realizando-se um magusto pelas 17h30.
Este ano participam 70 expositores, entre produtores de castanha e derivados, de doçaria, queijo, vinho e produtos agrícolas. No exterior do pavilhão há também uma área de maquinaria agrícola. A feira tem entrada livre. Paralelamente, está a decorrer em 12 restaurantes do concelho a mostra gastronómica “Paladares de Outono”, uma competição de menus baseados na castanha.

Sobre o autor

Jornal O Interior

Deixar uma resposta