Sociedade

Álvaro Amaro, dois vereadores e duas funcionárias da Câmara da Guarda acusados de fraude na obtenção de subsídio e prevaricação

Escrito por Luís Martins

O eurodeputado Álvaro Amaro, Carlos Chaves Monteiro, atual presidente da Câmara da Guarda, Victor Amaral, vereador da Cultura, Alexandra Isidro, chefe da Divisão Cultural, e Carla Morgado, técnica superior do mesmo serviço na autarquia guardense, vão responder por fraude na obtenção do subsídio e prevaricação.

Segundo a SIC, em causa está o financiamento do evento “Guarda Folia”, no Carnaval de 2014, em que a Câmara é suspeita de ter recorrido ao grupo Aquilo, então presidido por Carla Morgado, para conseguir um apoio comunitário de mais de 50 mil euros para a atividade perante a impossibilidade de o mesmo ser obtido através da empresa municipal Culturguarda.

Com data de 30 de maio, o despacho de acusação é do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra e propõe a perda de mandato para o ex-autarca, o então vice-presidente da Câmara e o vereador da Cultura caso sejam condenados. O Ministério Público defende ainda que as funcionárias visadas sejam proibidas de exercer funções.

À SIC, Carlos Chaves Monteiro declarou que está a ponderar requerer a abertura da instrução. 

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta