Política

Santinho Pacheco garante lugar elegível

Escrito por Luís Martins

Líder da JS Fábio Pinto é o único sobrevivente da proposta de Pedro Fonseca na lista de candidatos do PS às legislativas aprovada em Lisboa na terça-feira. Versão definitiva causou mal-estar na concelhia da Guarda, cujo dirigente Agostinho Gonçalves ameaça demitir-se.

Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo; Santinho Pacheco, atual deputado no Parlamento; e Cristina Sousa, vereadora e vice-presidente da Câmara de Seia, ocupam os lugares efetivos da lista de candidatos do PS às legislativas pelo círculo da Guarda.
O elenco foi aprovado na noite de terça-feira pela Comissão Política Nacional do partido, em Lisboa. A novidade é a inclusão de Santinho Pacheco em lugar elegível, quando, há uma semana, o seu nome não constava da proposta apresentada por Pedro Fonseca, que entretanto se demitiu da presidência da Federação guardense na sequência do chumbo da lista levada à Comissão Política Distrital, conforme O INTERIOR noticiou na última edição. Tudo indica que a sua entrada foi uma imposição do secretário-geral do partido, António Costa. Menos surpreendente é a escolha de Cristina Sousa, em representação da concelhia de Seia, uma das maiores do distrito e que não tinha sido contemplada na versão anterior. Intocável permaneceu Ana Mendes Godinho como cabeça de lista por ser uma escolha direta do líder socialista.
Como membros suplentes surgem Fábio Pinto, líder da Federação da JS da Guarda, em quarto lugar; Marisa Neves de Sousa, presidente do Departamento das Mulheres Socialistas e militante na Guarda, em quinto; e Rita Mendes, vereadora e vice-presidente da Câmara de Aguiar da Beira, na sexta posição. A estrutura nacional do PS dirigida pelo secretário-geral, António Costa, chamou a si o processo de constituição da lista após a proposta apresentada por Pedro Fonseca ter sido chumbada pela Comissão Política Distrital. Dessa lista resta Fábio Pinto, tendo “caído” todos os restantes nomes apresentados: Pedro Fonseca (Guarda), Olga Marques (Celorico da Beira), Telma Mano (Figueira de Castelo Rodrigo) e Jorge Liça (Vila Nova de Foz Côa).
A não inclusão de um militante da Guarda num lugar de destaque não caiu bem na secção local, havendo vários elementos do Secretariado e da Comissão Política Concelhia a ponderar a demissão, com destaque para o seu presidente, Agostinho Gonçalves. A contestação também poderá chegar à bancada socialista na Assembleia Municipal, onde a maioria dos eleitos também tenciona renunciar ao mandato em protesto contra a forma como foi constituída a lista às legislativas. Na semana passada, Pedro Fonseca afirmou que voltaria a apresentar a mesma lista aos órgãos distritais do partido. «Agiria da mesma forma porque dialoguei com todas as sensibilidades internas, com a JS, com as Mulheres Socialistas e cumpri as regras estabelecidas pela direção nacional do PS. Os membros da Comissão Política Distrital entenderam que não era a lista adequada, pelo que só tenho que assumir as minhas responsabilidades», disse o dirigente em conferência de imprensa.
Pedro Fonseca admitiu ter ficado «surpreendido» com a votação daquele órgão, pois «contava que a lista fosse aprovada». Sobre a não inclusão de Santinho Pacheco, atual deputado, o socialista respondeu que «nenhum dos eleitos me transmitiu vontade de se recandidatar ao cargo». O líder demissionário anunciou que José Luís Cabral, vice-presidente da Federação, vai assumir a liderança do partido na Guarda até «novas indicações» da direção nacional. Na hora da despedida, Pedro Fonseca reiterou que «jamais será um empecilho, um embaraço ou um problema» para o partido e manifestou «total concordância» com a escolha de Ana Mendes Godinho para cabeça de lista na Guarda. «É uma pessoa com um trabalho político extraordinário, quer no partido, quer no Governo, e com qualidades humanas unanimemente reconhecidas», afirmou.

Hortense Martins lidera lista por Castelo Branco

Em Castelo Branco, o PS volta a recandidatar a deputada Hortense Martins, que também preside à Federação distrital.
Apesar da contestação gerada em torno do seu nome devido a uma investigação judicial num caso de alegada utilização indevida de fundos comunitários, a cabeça de lista foi uma escolha de António Costa. Hortense Martins candidata-se o um quinto mandato consecutivo na Assembleia da República, repetindo o primeiro lugar de 2015. Os restantes elementos da lista são, por esta ordem, o deputado Eurico Brilhante Dias (por indicação do Secretariado Nacional), Nuno Fazenda (Covilhã) e Joana Bento (vereadora da Câmara do Fundão). Como suplentes seguem João Martinho Marques (líder da JS distrital), Gracinda Marçal (autarca no concelho da Sertã), Francisco Pombo Lopes (Alcains) e Ana Correia Marques (vereadora da Câmara de Vila Velha de Ródão).

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta