Sociedade

Câmara da Guarda mantém IMI e Derrama e não abdica da taxa variável de IRS

Escrito por Luís Martins

A Câmara da Guarda vai manter inalterada, em 2020, a taxa de IMI, que é atualmente de 0,40 por cento. A decisão foi aprovada por maioria, esta quinta-feira, na reunião do executivo, tendo os eleitos do PS votado contra.  

O município também deliberou não abdicar dos 5 por cento da participação de IRS cobrado aos seus munícipes e que recebe anualmente do Estado, mantendo igualmente a taxa derrama em vigor, de 1 por cento. No IMI, a autarquia continuará a aplicar uma redução de 20 euros para as famílias com um dependente a cargo, de 40 euros para dois e de 70 euros para agregados com três ou mais dependentes a cargo. 

O presidente da autarquia, Carlos Chaves Monteiro, justificou que «reduzir impostos municipais é irresponsável porque pode por em causa os projetos que a Câmara quer concretizar», caso da Variante dos 5 F’s, da ciclovia/ pedovia na VICEG ou a requalificação urbana na cidade. «Somos coerentes. Equilibrámos as contas e estamos a investir na valorização do concelho, por isso optámos por manter os impostos municipais em vez de recorrer ao endividamento», acrescentou o edil social-democrata.

Por sua vez, Eduardo Brito, vereador do PS, disse-se «dececionado» com esta opção. «Havia a expetativa do atual presidente baixar o IMI, a Derrama e abdicar na totalidade ou em parte parte da variável no IRS. Mas nada mudou. É mais do mesmo, é a política de ir ao bolso do cidadão», disse o socialista, para quem «manter o IMI em 0,40 por cento não tem justificação».  

 

 

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta