Região

Visitantes das Aldeias Históricas ficam um a dois dias

Escrito por Jornal O Interior

Primeiras conclusões do projeto PlowDeR, que mede o impacto económico e social das atividades realizadas, foram apresentadas na semana passada em Linhares da Beira

O orçamento médio de cada visitante das 12 Aldeias Históricas de Portugal é de 546,95 euros e, em média, estes turistas ficam alojados entre um a dois dias, visitando, em média, três aldeias.
Estas são algumas das conclusões do projeto PlowDeR, desenvolvido pela associação das Aldeias Históricas de Portugal, Universidade de Aveiro, Instituto Politécnico da Guarda e Turismo do Centro. Os resultados foram apresentados no passado dia 3, em Linhares da Beira (Celorico da Beira). O objetivo é medir o impacto económico e social das atividades geradoras de riqueza nos territórios de baixa densidade. O estudo conclui também, entre outros pontos, que os alojamentos mais procurados pelos turistas são os existentes no espaço rural e que a maior motivação dos visitantes «relaciona-se com o património histórico e cultural do concelho, seguida do contacto com a natureza e com a ruralidade».
O PlowDeR inquiriu igualmente os residentes, cuja maioria «está satisfeita ou muito satisfeita com o impacto do turismo na sua aldeia, bem como com a associação à marca Aldeias Históricas de Portugal». Os habitantes assumem ainda «sentir orgulho» em pertencer à comunidade e cultura locais e costumam participar no desenvolvimento de eventos turísticos na sua aldeia, segundo o documento. Este projeto-piloto, realizado durante 18 meses e coordenado por Carlos Santos, focou-se, maioritariamente, é «um ponto de partida para dar resposta efetiva à manutenção de um sistema de indicadores que permita analisar o impacto social e económico da atividade turística nos territórios de baixa densidade», adiantam os promotores desta análise.
No âmbito do projeto foi desenvolvida uma plataforma tecnológica, denominada ILDA – Indicators for Low Density Areas, para permitir a recolha e a gestão dos dados obtidos. A rede de Aldeias Históricas considera que o PlowDeR é «absolutamente pioneiro, uma vez que foi criado com o objetivo de dar resposta às lacunas na recolha de informação estatística nos territórios de baixa densidade – em especial à falta de dados qualitativos». O seu presidente, António Robalo, também autarca do Sabugal, afirma que é «uma mais-valia» para a rede e «para quem trabalha processos de diferenciação dos territórios, particularmente no turismo».

Sobre o autor

Jornal O Interior

Deixe comentário