Região

Quartel das Esquadras na segunda fase do Programa Revive

Escrito por Luís Martins

Monumento nacional situado no centro de Almeida é um dos catorze imóveis que vão ser concessionados por todo o país para fins turísticos

O edifício do antigo Quartel das Esquadras, classificado como monumento nacional, em Almeida, integra a segunda edição do Programa Revive, lançada na quinta-feira, em Lisboa.
A iniciativa contempla mais 14 imóveis, entre monumentos nacionais e imóveis de interesse público, atualmente sem uso, que serão concessionados à iniciativa privada para reabilitação e posterior exploração para fins turísticos. O Revive é um programa conjunto das áreas da Economia, Cultura e Finanças que, na região, vai permitir requalificar e reabrir o Hotel Turismo da Guarda. Construído no século XVIII no centro da vila fortificada, o Quartel das Esquadras tem planta retangular longa e estreita, com dois pisos, composta pela justaposição de casernas transversais intercomunicantes, abobadadas e equipadas com lareira. O acesso ao segundo piso é facilitado por uma varanda contínua sustentada por arcaria. A escadaria externa, com três lanços de degraus, implanta-se nos topos.
Recentemente, o vice-presidente da Câmara, José Alberto Morgado, revelou que o município pretende desenvolver naquele imponente edifício «uma incubadora de empresas, uma zona franca cultural com uma residência para artistas, bem como um museu com o espólio cedido à autarquia pelo professor Adriano Vasco Rodrigues». Na quinta-feira, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, considerou que o programa Revive está em «velocidade de cruzeiro» e lembrou que os sete projetos já adjudicados representam um investimento superior a 54 milhões de euros. O governante destacou ainda que o objetivo desta iniciativa é fazer com que estes imóveis históricos «possam conhecer uma nova utilização e ser colocados à fruição dos portugueses e daqueles que visitam Portugal, independentemente do modelo de ocupação que possam ter».
A par do Quartel das Esquadras, a segunda fase do Revive inclui os monumentos nacionais do Mosteiro de São José (Évora) e da Fortaleza da Torre Velha (Almada), além de imóveis de interesse público como o Palacete Viscondessa de Santiago do Lobão (Porto), a Fortaleza da Juromenha (Alandroal) e o Forte da Cadaveira (Cascais). O Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia (Lisboa), o Forte Velho do Outão (Setúbal), a Casa do Outeiro (Paredes de Coura), o Castelo de Almada, o Centro Educativo Vila Fernando (Elvas), a Casa das Fardas (Estremoz), a Quinta do Cabo das Lezírias (Vila Franca de Xira), Casa da Igreja (Mondim de Basto) e o Palacete Conde Dias Garcia (São João da Madeira) são os restantes imóveis selecionados. O Revive foi lançado em 2016, com 33 imóveis, e até ao momento foram abertos 17 concursos. O primeiro imóvel reabilitado ao abrigo deste programa, o Convento de São Paulo, em Elvas, abriu ao público em junho. Na Guarda, o novo Hotel Turismo deverá abrir portas em 2022.

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta