Região

Cinco dias de Feira Medieval dinamizam economia de Belmonte

Escrito por Sofia Craveiro

Este ano o evento teve como inspiração a “Lenda do Cativo de Belmonte”, um quadro existente no Museu de Ponta Delgada

A feira dedicada à “A Lenda do Cativo de Belmonte” abriu portas no dia 14 de agosto. O certame, que este ano foi inspirado por um quadro existente no Museu de Ponta Delgada, nos Açores, prolongou-se até domingo e contou com várias atividades dedicadas à recriação do período medieval.
O mito que serviu de mote a esta edição relata a história de Manuel, escudeiro de um cavaleiro de Belmonte. O habitante da vila partiu para combater os mouros invasores em batalhas que testaram a sua bravura e perseverança. Num dia fatídico, Manuel foi capturado e levado para Argel, onde ficou cativo longos anos e foi forçado a trabalho escravo. Após anos de vida de sofrimento e cativeiro, o seu novo senhor perguntou-lhe qual o significado da palavra “esperança” que repetia dia após dia. Manuel respondeu que era o desejo de regressar à terra onde nascera, mas o mouro foi ainda mais impiedoso e aumentou o peso do seu trabalho. A lenda conta que, nesse momento, a Virgem se apiedou do belmontense escravizado. De forma inexplicável, a arca onde Manuel dormia todas as noites levantou voo e desapareceu rumo ao mar.
Nesse mesmo dia, a população de Belmonte observou com surpresa uma arca a aterrar junto à Igreja de Santa Maria, de onde saiu Manuel. A alegria popular foi de tal ordem que no local foi erguida uma outra capela dedicada a Nossa Senhora da Esperança. Esta estória foi representada no feriado de dia 15, no interior da fortaleza belmontense. A data foi também escolhida para a realização da ceia medieval. O evento “Belmonte Medieval” contou com animação de rua, um torneio de luta de espadas, várias oficinas, passeios de burro, cortejos, espetáculos de teatro e momentos musicais. A feira, que este ano contou com 136 expositores, foi organizada pela autarquia e pela EMPDS – Empresa Municipal de Promoção e Desenvolvimento Social do Concelho de Belmonte. O orçamento para a realização do certame foi de 90 mil euros.
O presidente da autarquia local afirmou, durante a cerimónia de inauguração, que, apesar de algumas alterações na disposição das barraquinhas e na equipa envolvida na organização, a «feira medieval não pode deixar de ser o que é». António Dias Rocha disse acreditar que o número de visitantes de edições anteriores seria superado, em especial devido ao aumento da extensão temporal do evento, «que se proporcionou devido ao feriado de quinta-feira [15 de agosto]». Com perspetivas de cerca de 40 mil visitantes, o edil sublinhou também a importância do evento para a dinamização da economia local do concelho.

Sobre o autor

Sofia Craveiro

Deixar uma resposta