Economia

«Fazer vinho não é uma arte menor»

Escrito por Sofia Craveiro

A Quinta dos Termos – pertencente ao empresário João Carvalho – lançou esta quinta-feira uma coleção de três garrafas-livro, que incluem poemas de renomados autores portugueses, assim como ilustrações de artistas conceituados. O objetivo da iniciativa é «estimular a partilha» do vinho promovendo «a socialização».

A ideia inicial surgiu em 2005 e foi materializada em 2017, ano em que a primeira garrafa-livro foi lançada em Portugal pela Quinta dos Termos. O vinho era o “Reserva do Patrão 2014” e ficou associado a “Rubá’iyat Poemas do Amor e do Vinho – 77 Poemas para Ler e Degustar”. «A ideia era enquanto as pessoas degustavam o vinho, liam os poemas. Foi feito a pensar nos jovens casais» explica João Carvalho.

O empresário falava  durante a apresentação das novas garrafas-livro à comunicação social, que decorreu ontem, na quinta que dá nome ao vinho, em Caria (Belmonte). «Temos este conceito de inconstância, de criar coisas novas», declarou o administrador, enquanto apresentava as três novas “edições” de garrafas-livro, que chegam agora ao mercado.

Este ano há três temas distintos: “Cântico dos Cânticos”, com poemas de Gonçalo Salvado e desenhos de Francisco Simões, “Amor e Vinho nos Poetas de Lisboa – Lume e Ardor – 13 poemas para ler e degustar”, uma antologia de «poetas de Lisboa, como Bocage, Camões, Cesário Verde, Sophia de Mello Breyner, entre outros» e “Quem Mais Vinho que Tu – Amor e Vinho em Fernando Pessoa”, que «apresenta as referências ao vinho no contexto amoroso, recorrentes em Fernando Pessoa». Os dois últimos possuem ilustrações de Dorindo de Carvalho «um dos designers gráficos mais marcantes da segunda metade do século XX».

Serão lançadas numa fase incial 500 garrafas-livro que têm «como base o nosso DOC Tinto de entrada», explicou João Carvalho. O PVP será de vinte euros por unidade. Será ainda lançada uma reedição de cerca de quatro mil unidades da primeira garrafa-livro, de vinho “Reserva do Patrão”, que será vendida a 25 euros.

«Se escrever poemas é uma arte, se escrever sobre o amor ou o vinho é uma arte, fazer vinho não é uma arte menor», disse ainda o empresário.

Além da apresentação das garrafas-livro houve também uma prova de  vinhos da Quinta dos Termos que chegam ao mercado na Primavera, como o “Quinta dos Termos Rosé 2019”, o vinho branco “Quinta dos Termos Fonte Cal Reserva 2019”, “Clarete” – um vinho «tinto de verão» – e ainda o vinho monocasta “O Pecado 2015”, “Talhão da Serra Reserva 2016” e o espumante bruto “Quinta dos Termos”.

 

Empresa cresce a uma «velocidade de 20% ao ano»

De acordo com João Carvalho a Quinta dos Termos tem crescido a uma «velocidade de 20% ao ano», o que se traduz num acréscimo de cerca de 300 mil euros em 2019. Estes valores culminam numa faturação total de mais um milhão de euros no ano passado. O principal mercado é o nacional, que representa uma fatia na ordem dos «70 a 75%» . O objetivo da empresa passa agora por «aumentar o mercado externo para cerca de 50%», explica o administrador que ressalva que a Quinta dos Termos já está presente em muitos mercados estrangeiros, tendo maior incidência no «Brasil, Canadá, Bélgica e China».

Apesar das recentes aquisições de propriedades, nomeadamente a Quinta do Pocinho, no Douro Superior, o responsável garante que «o centro é aqui, tudo é gerido a partir daqui», a Quinta dos Termos em Caria, que afirma já ter ultrapassado os «três mil visitantes» por ano.

 

Sobre o autor

Sofia Craveiro

Deixar uma resposta