Desporto

Mário Patrão foi 30º no dia em que Paulo Gonçalves perdeu a vida no Dakar

Escrito por Luís Martins

Mário Patrão foi 30º na sétima e trágica etapa do Rali Dakar, que ligou Riade a Wadi Al Dawasir, de 546 quilómetros cronometrados num total de 741.

O senense terminou a 36m12s do vencedor, o argentino Kevin Benavides (Honda), mas o dia ficou marcado pela consternação com a morte do português Paulo Gonçalves (Hero).

A organização, em sintonia com os participantes, decidiu cancelar a etapa 8 da prova para as motas e os quads de forma a permitir que os motards possam fazer «o luto» pelo falecimento de um elemento «querido e respeitado por todos», refere a organização num comunicado publicado na página oficial da prova.

Na sua página de Facebook, Mário Patrão não escondeu o choque e a comoção e escreveu que «não há palavras que possam descrever aquilo que sinto. Por trás destas competições estão as nossas vidas e com um enorme sofrimento, perdemos um grande Amigo, um excelente ser humano e um Piloto incrível».

Mário Patrão é 37º na geral, comandada por Ricky Brabec (Honda).

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta