Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 20-09-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 13-09-2018

Secção: Sociedade

Covilhã
Antiga diretora da Casa do Menino Jesus acusada de 10 crimes
Tempo de leitura: 2 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

foto
 Clique na imagem para a aumentar.
A antiga diretora técnica do Lar de Infância e Juventude da Casa do Menino Jesus, na Covilhã, está acusada pelo Ministério Público (MP) de nove crimes de maus tratos em autoria material e concurso real contra crianças e jovens que estão na instituição.

Por agora, Regina Coelho está proibida de exercer funções como psicóloga e diretora técnica da instituição e ficou sujeita à medida de coação de termo de identidade e residência. A antiga responsável está também proibida de contactar com funcionários e utentes da Casa do Menino Jesus e está ainda indiciada por um crime de peculato pelo uso do cartão de crédito da instituição para pagamento de despesas pessoais. Segundo a acusação, o MP considera também que uma educadora da Casa do Menino Jesus cometeu quatro crimes de maus tratos em autoria material e pede que a mesma seja afastada das funções que ainda desempenha, por considerar que Tânia Soares «não reúne as condições necessárias para continuar a desempenhar a atividade de educadora social que exerce».

No entanto, esta questão já foi analisada pelo juízo criminal da Covilhã, que decidiu que a educadora indiciada se manteria no exercício normal das suas funções até ao julgamento. O caso remonta ao ano passado, quando em março uma das crianças fugiu da instituição e originou uma investigação das autoridades. Em junho, O INTERIOR publicou uma reportagem com o relato de um funcionário da Casa do Menino Jesus, onde denunciava casos de alegados maus tratos a menores institucionalizados. Posteriormente a essa notícia, a direção desta IPSS anunciou a abertura de um inquérito interno para apurar a veracidade dos factos relatados, tendo o caso sido participado ao MP para eventual procedimento criminal.


Votar:
Resultado:
40 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.