Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 16-08-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 09-08-2018

Secção: Opinião

Crónica Política
Mentiras, ódios, amizades e vinganças
Tempo de leitura: 4 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Alguém disse um dia, no original, que “You don’t remember people you love by the wise things they say, but the silly things they do”.

Por isso, o caso Robles e as implicações para o Bloco de Esquerda vão continuar a dominar a “silly season”. Este caso representa um marco e um ponto de viragem na perceção mental que a maioria dos portugueses tem da política. De facto, trata-se de um caso muito curioso, por variadíssimas razões.

Em primeiro lugar, é quase consensual, da direita à esquerda, que o caso é importante por não assentar em ilegalidades. Isto é, mesmo que existam, não é nisso que as pessoas estão a pensar quando formam uma opinião sobre o que aconteceu. É um daqueles raros casos da política ligados apenas à ética, ou à falta dela.

Isso é importante porque permite desqualificar comparações com casos com contornos completamente diferentes, como são aqueles ligados à banca, às PPP’s, ou a outras situações que oneraram o contribuinte em milhares de milhões, favorecendo no caso presente uma certa purificação ou desintoxicação monetária da discussão.

Talvez por isso, a segunda característica ligada a este caso é a do valor da palavra. Deixou de ser importante – para usar linguagem popular – que um político não roube, e passou a sê-lo mais ainda que não minta contra si próprio. Se roubar, torna-se vulgar, se mentir, torna-se suicida, o que pelos visto pode ser pior. Isso é bom, porque eleva o patamar de exigência futura do público em relação aos comportamentos dos políticos e à sua relação com o universo dos negócios. No futuro, para não mentirem, terão menos hipóteses de roubar…

Em terceiro lugar, é extraordinário que um caso destes não redunde em aparente benefício eleitoral para a parte contrária, como seria normal esperar-se em política. De facto, se admitirmos por hipótese que o Bloco de Esquerda perca metade do seu eleitorado, nada nos garante que sejam o PSD ou o CDS a beneficiar com esse facto.

Isso acontece porque uma parte significativa do voto no Bloco é não ideológico e de protesto. Como tal, já foi usado para castigar o PSD e o CDS no passado. E geralmente os eleitores que votam desta forma podem mudar o seu sentido de voto para protestarem novamente, mas com reduzida apetência a “descastigarem” as suas indignações do passado. Nesse sentido, o estridor da direita clássica foi algo infrutífero e, eventualmente, até contraproducente, pois pode ter beneficiado mais os seus adversários políticos, o PS e o PCP, do que a si própria. Recorrendo à metáfora, o povo não esquece que fica mal a alguém que bateu na mulher no passado vir criticar quem insulta a sua no presente. Como dizia Mark Twain, «o barulho não prova nada: uma galinha põe um ovo e cacareja como se estivesse a largar um asteroide».

Por último, haverá um antes e um depois do caso Robles. A autoarvorada superioridade moral do Bloco era uma espécie de reduto que a direita e até uma certa esquerda sonhavam em derrubar. No fundo, é aquela coisa de se poder dizer que os outros não são melhores do que nós. Claro que isto nos diz muito sobre o nível a que chegou a nossa política. Não é uma cena de “vocês são maus, mas nós somos bons”, até porque qualquer pessoa que saiba andar e respirar ao mesmo tempo se desmancharia imediatamente a rir. É uma cena de “vocês são tão maus como nós”. É um pouco como se um gordo que demorasse 10 minutos a correr os 100 metros ficasse felicíssimo por outro com corpo de atleta demorar exatamente o mesmo tempo.

Com a queda desse reduto, abriu-se uma caixa de Pandora. Na verdade, errar é humano, culpar outra pessoa é política. E para o eleitor de protesto, culpar sempre alguém diferente da vez anterior é uma opção tão boa como outra qualquer.

Já Tocqueville dizia que, em política, a comunhão de ódios é quase sempre a base das amizades. Ou, adaptado ao presente, talvez das inimizades…

Por: Jorge Noutel


Votar:
Resultado:
52 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.