Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 16-08-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 07-06-2018

Secção: Editorial

Editorial
O simples é bonito
Por: Luis Baptista-Martins
Tempo de leitura: 3 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Há vinte anos, na génese deste jornal, escrevi vários artigos de opinião e intervim em diferentes palcos em defesa da requalificação do centro da cidade, nomeadamente daquilo que timidamente chamei várias vezes de “centro cívico da Guarda”. Defendi então a necessidade de «regenerar o centro da cidade, e assim dar um impulso decisivo para melhorar o perfil internacional da Guarda (que continua adiado apesar de ser uma cidade de fronteira), aumentar a autoestima dos guardenses, reanimar a cultura urbana, renovar o comércio tradicional e dinamizar o turismo». Em 2002, a propósito das comemorações do dia da cidade, convidei alguns arquitetos amigos a refletirem, escreverem e desenharem intervenções em alguns pontos da urbe, que publicámos na edição de O INTERIOR de 22 de novembro desse ano. Entre as muitas sugestões que deixámos à cidade, e que então serviram parcialmente de base a um dos melhores discursos “do dia da cidade”, do então presidente da Assembleia Municipal, José Igreja, apresentámos esboços e memória descritiva para revitalizar o eixo da Igreja da Misericórdia ao Jardim José de Lemos. Os arquitetos Cláudia Quelhas e João Madalena apresentaram um ensaio sobre a necessidade de tirar carros (à superfície) do “centro cívico” e desenharam um jardim diferente com estacionamento subterrâneo – uma oportunidade perdida. E a arquiteta Salete Marques imaginou o largo da Misericórdia qualificado, moderno, sem barreiras, limpo, com zona pedonal alargada e vias estreitas para os carros. Os seus desenhos, que publicámos em primeira página, levavam cor e vida ao centro da cidade. Sugestões que o executivo de Maria do Carmo Borges não considerou e caíram no esquecimento.

Dezasseis anos depois, foi apresentado, finalmente, um projeto de intervenção, com o mesmo conceito de regeneração urbana e sentido de eliminação de barreiras, revitalização urbana, vida social e redução do espaço para o automóvel (os táxis passarão para o outro lado do largo, mas deviam ir para as ruas adjacentes - Vasco da Gama e Marquês de Pombal). O projeto do arquiteto António Barbosa, com a colaboração do arquiteto João Madalena, devolve singeleza e sociabilidade ao centro cívico e tem, como o que há vinte anos aqui sugerimos, uma noção de “território” do cidadão, de vida urbana, de praça aberta para as pessoas (num momento em que o comércio tradicional da Guarda vê encerrar uma das lojas mais emblemáticas da cidade: a “Conde & Gião”). Depois do equívoco na rua do Comércio (cuja intervenção, há pouco mais de um ano, com um “estendal” de luzes que mudavam de cor - entretanto ficou só a luz branca - e com uns caixotes que eram uns mamarrachos – entretanto, discretamente, retirados), ao projeto apresentado faltam árvores e elementos atrativos (arte), mas tem luz, elimina barreiras e desnível grotesco e potencializará o sentido de pertença ao espaço como uma sala-de-estar citadina. Será um piano onde os guardenses se poderão reencontrar. Simples.


Votar:
Resultado:
50 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.