Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 11-10-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 10-05-2018

Secção: Opinião

Vem aí o Verão
Tempo de leitura: 2 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Promete o Presidente da República, em entrevista ao jornal “Público” e a propósito dos incêndios de Verão, não se recandidatar se «falhar tudo outra vez». Admite na entrevista que se fez muito para evitar novas tragédias e que ele próprio promulgou toda a legislação que lhe chegou às mãos e tinha esse objetivo.

Nota-se trabalho nas bermas das estradas, junto às povoações, nos pinhais e eucaliptais. Este ano não se poderão imputar tão facilmente as culpas à falta de limpeza das florestas e das matas, mas há outras causas e pouco se sabe.

Os fogos de origem criminosa são uma das causas e os criminosos são conhecidos ou estão apontados. Uma recente reportagem da Ana Leal, na TVI, indicava suspeitos do incêndio do pinhal de Leiria e explicava o sucedido: como tinha sido combinado, por quem, onde, como iria ser obtido o lucro, o que estava previsto ser feito nos leilões da madeira ardida para obrigar a baixar o preço. De certeza que a Polícia Judiciária está já a investigar e podemos acreditar que neste ano de 2018, por medo ou porque está demasiada gente atenta, haverá menos incêndios de origem criminosa que em anos anteriores.

Outra causa é o aumento das temperaturas provocado pelas alterações climáticas e, quanto a isto, pouco há a fazer a curto prazo. Vai haver muito calor e pouca humidade, vai haver quem limpe matos à última hora, por medo das coimas ou dos incêndios e libertar faíscas no processo, vai haver loucos ou criminosos mais atrevidos, vai haver cigarros a voar das janelas dos carros, garrafas ao sol e pinheiros a escorrer resina à espera de uma causa de combustão.

Tudo isto vai acontecer sobretudo no nosso interior despovoado, sem populações vigilantes e jovens, onde continuam a plantar-se pinheiros selvagens e eucaliptos. Enquanto houver esses desequilíbrios, demográficos e naturais, ou todas as outras razões, como a falta de meios, a incompetência dos decisores, a descoordenação entre organismos, vão arder as florestas, por mais que mudemos de presidente da República ou de governo.

A constatação de que é em Portugal que há mais área ardida todos os anos, proporcionalmente ou em valores absolutos, deveria levar-nos à conclusão de que os incêndios são o sintoma de problemas muito profundos da nossa organização como país, mas tem levado apenas a cuidados pouco mais do que paliativos. Parece por vezes que o grosso dos esforços da nação se destina a salvar bancos e a enriquecer multinacionais e ex-ministros, ou a encher de infraestruturas e serviços a estreita faixa ao longo do litoral onde se refugiou a maior parte da população. O resto bem pode arder e, ou tudo muda, ou vai continuar a arder.

Por: António Ferreira


Votar:
Resultado:
43 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.