Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 16-08-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 19-04-2018

Secção: Opinião

Bilhete Postal
À procura do pássaro da escrita
Tempo de leitura: 2 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Virgulino queria escrever um livro novo, um texto único, desconstruir palavras, romper a gramática e desvirtuar os cânones passados.

- Vou escrever um livro que é uma revolução literária! – Disse e desse modo ficaram a saber os familiares que nada mais faria na vida além desta missão única e intransmissível.

Haveria que dar-lhe de comer, que dar-lhe de dormir e alimentar este génio auto construído.

O ícone de si mesmo, a magistratura do próprio glorificava agora a vida difícil da mulher e dos filhos, mesmo com a ajuda dos pais e sogros. Virgulino lançou-se à tarefa durante meses de mortificados pensamentos, folhas escritas e rasgadas, pedaços de frases soltas em guardanapos e lençóis. Virgulino, o génio, escrevia nas paredes se eram elas que testemunhavam a sua inspiração. Onde estivesse e jorrasse o talento este ficava público e imortalizado nuns gatafunhos ou num teclar forte e audível. Aconteceu no cinema e gerou pugilato. Apareceu num restaurante e foram expulsos. Virgulino escrevia “obstipada mente” porque era o momento da reflexão, o tempo da descoberta.

Foram dois anos de espera e o afastamento dos sogros, o abandono do filho mais velho e a crença inquebrável da esposa que encontrara entretanto um amante de fins de tarde para as necessidades mais carnais. A força cultural de Virgulino tinha nele um efeito perverso nas questões de sexo. Não se lembrou mais de o praticar. Virgulino cumpria a missão da escrita, e após intermináveis 650 dias surgiu o texto que dava origem ao novo livro. Era um livro revolucionário e único mas não seria irrepetível. Virgulino matou-se cortando os pulsos e pingando sangue nas páginas de um livro que tentava escrever – “o livro vermelho de Virgulino” eram manchas de sangue espalhadas nas muitas páginas brancas e nalgumas estavam palavras do seu sonho: Morrer de mim. Potente era “catrapum”. Na busca insaciável me comi.

- Afinal o tipo era um génio – disse o galerista!

- Parece-me mais um erro diagnóstico – afirmou o psiquiatra.

- Não esperava isto! - soluçava a esposa nos braços calmos da mãe, consolada pela mão forte do filho que os deixara e voltava tranquilo.

Por: Diogo Cabrita


Votar:
Resultado:
42 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.