Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 16-08-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 12-04-2018

Secção: Última

Municípios
Celorico, Fornos, Fundão e Seia com dívidas acima do limite legal
Tempo de leitura: 2 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Câmara de Fornos de Algodres
Câmara de Fornos de Algodres  Clique na imagem para a aumentar.
O Conselho de Finanças Públicas considera que os municípios de Celorico da Beira, Fornos de Algodres Fundão e Seia continuam com valores da dívida acima do limite legal previsto.

O relatório sobre a “Execução orçamental da Administração Local 2017”, divulgado na semana passada, revela que a dívida total dos municípios melhorou em quase 500 milhões de euros em 2017, mas 27 continuam acima do limite legal previsto. A Lei das Finanças Locais estabelece que a dívida total do município (que inclui a dívida de entidades participadas pelo município) não pode ultrapassar, em 31 de dezembro de cada ano, 1,5 vezes a média da receita corrente líquida cobrada nos três exercícios anteriores. Segundo o Conselho de Finanças Públicas, entre as 27 autarquias que ultrapassaram esse limite, Celorico da Beira tem um rácio da dívida entre «150 e 225 por cento». Com rácio da dívida entre 225 e 300 por cento estão sete municípios, entre os quais Fundão e Seia. Já com dívida total superior em três vezes a média da receita corrente líquida entre 2014 e 2016 (rácios de 300 por cento), ou seja, em rutura financeira, estão cinco edilidades, nomeadamente Fornos de Algodres.

A autarquia presidida por Manuel Fonseca já contestou as conclusões do relatório. «Houve uma altura em que a Câmara de Fornos de Algodres estava em rutura financeira e não conseguia pagar as dívidas que foram contraídas pelo executivo anterior, mas que atualmente tem um quadro financeiro que lhe permite fazer face a todos os compromissos. Tem neste momento uma taxa de endividamento bastante elevada e um quadro financeiro que não é o melhor, mas não tem problemas com pagamento a fornecedores, uma vez que paga no prazo limite máximo de 30 dias», disse o autarca, recordando que o município teve que recorrer ao Fundo de Apoio Municipal (FAM).


Votar:
Resultado:
46 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.