Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 13-09-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 12-04-2018

Secção: Opinião

Porque é que a Marilyn Monroe nunca passa de moda?

Porque há coisas que nunca passam de moda.

Tempo de leitura: 3 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Foto: Vasco Inglez
Foto: Vasco Inglez  Clique na imagem para a aumentar.
As pin-ups continuam a ser, na atualidade, uma forte tendência no mundo retro. Estas mulheres que marcam pelo ar clássico, pela pele com propensão para ser clara, os lábios bem vermelhos e a postura inegavelmente provocadora são também adjetivadas como sex symbols, exibicionistas, sensuais, eróticas…

Quem não gosta?

Muita gente.

E daí?

Segundo stylists e jornalistas de moda, o estilo retro é muitas vezes designado por “vintage inspired” porque, tendencialmente, as criações retro procuram reproduzir peças antigas que continuam a ter qualidade e valor, resgatando, para tal, belos padrões e cortes elegantes do período do qual eles têm origem (décadas de 20 a 70).

O estilo retro é lindo, tem um toque de romântico e está super na moda.

De acordo com as regras deste estilo, os padrões mais usados são as bolinhas (variando de tamanho consoante se goste de chamar mais ou menos à atenção) e as flores pequeninas e delicadas (que, depois de muito usadas no passado, voltaram em força ao mundo da moda). A cintura alta é também uma marca deste estilo, assim como o comprimento das saias e dos vestidos, geralmente até ao meio da canela.

Para completar um look retro combinam-se colares e pulseiras de pérolas com sabrinas, pumps ou uns charmosos scarpins de bico redondo. Lembremo-nos ainda de que este estilo pede óculos de sol grandes e coloridos e, para quem goste, bandoletes, lacinhos ou flores no cabelo.

Se os termos vintage e retro ainda se confundem na sua cabeça, pense assim:

• Vintage = peças de outras décadas (que pertenceram, por exemplos, aos seus avós ou aos seus bisavós);

• Retro = peças lançadas atualmente mas com aparência antiga.

Independentemente das variantes, estes estilos são ímpares! São, aliás, uma perfeita releitura de tendências passadas e inegáveis símbolos de distinção e bom gosto. Para quem goste, queira comprar ou, simplesmente, queira saber mais sobre este tópico, sugiro que, quando em Lisboa, visitem a Pop-Closet, A Outra Face da Lua e a Às de Espadas. Se, por acaso, estão a programar uma viagem a Paris, reservem uma tarde para deambular nas friperies e comprar roupa a peso nas magníficas lojas da região do Marais (3ème e 4ème), na zona do Centro Pompidou, ou na Rue de la Verrerie, onde a variedade de escolha é absolutamente indescritível e a original inimaginável. Acompanhadas pela sonoridade francesa, sugiro a Free P’Star, a Kiliwatch e, a minha favorita, a Kiloshop.

Pessoalmente, não tenho um estilo vincado. Não sou Geek, Glam, Clássica, Casual… Sou um pouco de tudo, portanto, sou também um pouco Retro – quando calha –, pois gosto de me sentir como a Marilyn: uma mulher única, original, exclusiva e criativa!

Por: Joana Dente*

@pitangaboss

Jurista / Makeup Artist / Fashion Stylist


Votar:
Resultado:
76 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.