Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 21-06-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 08-03-2018

Secção: Opinião

Mitocôndrias e Quasares
O julgamento do macaco
Tempo de leitura: 2 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Nos dias que correm a polémica em torno do ensino do Criacionismo versus Teoria de Darwin tem ganho novas dimensões com alguns estados dos Estados Unidos da América (EUA) e países como a Turquia, que proibiram o ensino das ideias de Darwin nas escolas. Contudo, esta polémica já vem de longa data, quando, em 1925, um professor de uma escola pública americana foi condenado por ensinar a teoria da evolução de Darwin. A história conta-se rapidamente.

Por volta de 1925, havia no estado do Tennessee uma lei que proibia o ensino de teorias que contrariassem o relato bíblico da Criação. O professor John Scopes atreveu-se a dar uma aula sobre Darwin numa escola de Dayton. Esta ousadia de liberdade académica custou-lhe um julgamento muito mediático e que os norte-americanos seguiram pela rádio em direto. O que se passou foi que o professor mostrou na aula um livro que incluía as ideias desenvolvidas por Darwin na “Origem das Espécies” e alguns alunos denunciaram-no. Um julgamento de apenas dez dias confrontou, pelo lado da defesa, Clarence Darrow, um advogado famoso, com William Jennings Bryan, do lado da acusação. Este último era um exímio advogado e foi três vezes candidato a presidente dos EUA pelo Partido Democrata.

Darrow argumentou que a teoria não contradiz o relato bíblico e provou-o apresentando no julgamento oito especialistas na teoria da evolução. Além disso, o advogado acusou um juiz de estar a beneficiar um culto, o que infringia o princípio constitucional de laicismo. Já Bryan propôs uma interpretação literal da Bíblia e da lei e argumentou que o ensino da teoria da evolução era moralmente prejudicial para os estudantes. A pérola do julgamento foi a intervenção do advogado de defesa que declarou que a Bíblia devia cingir-se ao âmbito do que é moral e não invadir o terreno da ciência.

Scopes foi considerado culpado e foi-lhe aplicada uma multa de 100 dólares. Ao conhecer o veredicto, o professor pediu a palavra pela primeira vez durante o julgamento: «Dr. juiz, sinto que sou culpado por ter violado um estatuto injusto. Continuarei no futuro – como fiz desde sempre – a opor-me a esta lei de todas as formas possíveis. Qualquer outra atitude iria contra o meu ideal de liberdade académica, o de ensinar a verdade tal como está estabelecido na Constituição, com liberdade pessoal e religiosa. Sinto que a sentença é injusta».

Mas a sentença de Scopes ficou sem efeito por um tecnicismo legal. O professor continuou a dar aulas de geologia até se reformar. A lei de Butler, que deu origem a todo o conflito e que proibia ignorar a participação de Deus no ensino da origem da vida, permaneceu vigente até 1970.

Por: António Costa


Votar:
Resultado:
55 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.