Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 15-02-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 08-02-2018

Secção: Opinião

Crónica Política
Os feios, os porcos, os maus e os burros
Tempo de leitura: 3 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Em setembro de 2012, Cândida Almeida, diretora do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), proferia a plenos pulmões, na Universidade de Verão do PSD, que «o nosso país não é um país corrupto, os nossos políticos não são políticos corruptos, os nossos dirigentes não são dirigentes corruptos. Portugal não é um país corrupto. Existe corrupção obviamente, mas rejeito qualquer afirmação simplista e generalizada, de que o país está completamente alheado dos direitos, de um comportamento ético (...) de que é um país de corruptos».

Ora, a evidência dos factos faz qualquer pessoa de bem sentir-se embaraçada com estas palavras de Cândida Almeida. Aliás, a crença desta senhora e a sua incompatibilidade com realidade, traz-me à memória aquela corajosa constatação de George Orwell, segundo a qual: «Num tempo de falsas notícias, dizer a verdade é um ato revolucionário».

Excluindo o recente caso de Centeno e dos bilhetes para a bola, em que a incompetência do Ministério Público se revelou diretamente proporcional à ausência do mínimo bom senso e a soma de tudo é ainda inferior ao ridículo, o país tem sido devastado por sucessivos casos que abalam as fundações e a nossa fé no regime.

Desde os “vistos gold” a juízes que alegadamente se vendem pela melhor oferta, passando por banqueiros que se riem na nossa cara e por políticos que lhes devem os tachos que ocupam nas mais diversas empresas de referência, temos tido de tudo. Até ex-secretários de Estado que metiam a mão no bolso por uns livros e prebendas do género! O que me indigna, no meio disto tudo, é mesmo a pobreza franciscana da nossa corrupção.

Um Duarte Lima, um Ricardo Salgado, um Isaltino Morais, um Oliveira e Costa, esses sim, são uns senhores! Não venderam a honra pelo preço de uma qualquer prostituta de esquina. Pelo menos entregaram-se pela esperança da descendência ter futuro assegurado até à quinta geração! O Sócrates, esse, conseguiu ir ainda mais longe e fazer autêntica magia: roubar à vista de todos mas sem ser visto. Houdini, ao pé dele, não passava de um miserável aprendiz da manigância.

O que me mete mesmo nojo são os outros, os que se vendem por pouco mais do que o ar que respiram. Um juiz a quem pagam o carro e a renda de casa? Nem sequer uns milhões num qualquer “offshore”?! Uns livritos envergonhadamente sacados à socapa? Umas viagens aos jogos do Euro? Coisa pouca, muito pouca, para um país em que as avozinhas ainda oferecem ao senhor doutor uns litros de azeite para a operação acontecer mais depressa…

E é este espírito miserabilista que explica o nosso fado. Na verdade, nem sequer os corruptos ficam contentes. Com o tempo, percebem que se venderam por pouco e que os seus filhos vão ter de fazer o mesmo. E quando descobrem ídolos como Ricardo Salgado e José Sócrates, assalta-os a pequenez e a irrelevância daquilo que são. O que eles queriam mesmo era serem o pastor, nunca apenas o gado que pasta.

É em alturas dessas que se revela uma das piores marcas do nosso povo: a inveja! Cada corrupto desejava no fundo ser como o corrupto do lado. Isto é um bocadinho como aquela mania de que a galinha da vizinha é a melhor das capoeiras do povoado. Enquanto um Ricardo Salgado rouba sem emoção, o corrupto da esquina rouba com paixão. É aquilo a que chamaríamos de “corrupto moral”, uma espécie de corrupto meio pé-descalço, mas pelo menos com a sua moral. Não é por acaso que um Isaltino Morais, que nem isso tem, afirmou um dia: «A prisão deixou-me mais bem preparado para ser autarca». Acredite-se ou não, o povo, na sua infinita sabedoria, deu-lhe razão…

Por: Jorge Noutel


Votar:
Resultado:
48 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.