Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 20-09-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 18-01-2018

Secção: Atualidade

Escutas a José Sócrates infetadas com vírus
Tempo de leitura: 2 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

foto
Os 700 gigabytes de escutas do processo “Operação Marquês”, entregues no mês passado à defesa de José Sócrates, estavam infetados com vírus informáticos, afirmou o advogado Pedro Delille ao jornal “Público”.

O insólito teve início em dezembro: quando foram buscar os discos com as escutas telefónicas, uma funcionária do Departamento Central de Investigação e Ação Penal avisou que alguns ficheiros podiam estar infetados, conta Delille. Enviado o material informático para um perito, este detetou 50 vírus informáticos, entre trojans e «outras coisas do género», noticia o “Público”.

O conteúdo foi recuperado, mas Pedro Delille garante que o conteúdo não serve porque as pessoas intercetadas nas gravações não estão identificadas. «É impossível identificar quem está a falar», alega. Àquele jornal, o causídico informa que vai pedir uma perícia informática às escutas quando o processo transitar para o Tribunal Central de Investigação Criminal.

Este é mais um episódio que impede o processo de entrar em fase de instrução, uma vez que as defesas dos arguidos não têm acesso às peças processuais. «O processo está preso num pântano entre o procurador Rosário Teixeira e o juiz Carlos Alexandre», critica o advogado do ex-primeiro-ministro.

A Operação Marquês traduziu-se na constituição de 28 arguidos, 19 pessoas e nove empresas, por um conjunto de 188 crimes económico-financeiros. Entretanto, a procuradora-geral da República admite que alguns dos ficheiros informáticos que contêm as escutas telefónicas a José Sócrates estão infetados com vírus.

Em resposta a perguntas colocadas pela Rádio Renascença, o gabinete de Joana Marques Vidal confirma a existência dos vírus informáticos e explica que as próprias mensagens no momento da interceção estavam já contaminadas. A mesma fonte acrescenta que a situação não resultou do procedimento de cópia dos ficheiros nem do processo de análise durante a investigação. O Ministério Público optou por manter a situação, de modo a não alterar a versão originária dos ficheiros de prova.

Apesar da acusação ter sido proferida no início de outubro, o processo continua nas mãos do Ministério Público. Não foi entregue ao tribunal nem todas as peças processuais chegaram ainda às mãos dos advogados responsáveis pelas defesas.

Na sexta-feira, deveria ter sido fixado pelo juiz de instrução o prazo de contagem para se iniciar uma nova fase do processo, a instrução, durante a qual os acusados podem tentar deitar abaixo a prova, de maneira a evitar chegarem a julgamento, mas o juiz Carlos Alexandre voltou a adiar a contagem do prazo.


Votar:
Resultado:
85 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.