Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 11-10-2018
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 11-01-2018

Secção: Região

Covilhã
180 mil euros para requalificar Museu de Arte e Cultura
Tempo de leitura: 2 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

foto
 Clique na imagem para a aumentar.
A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, esteve na Covilhã, na passada quinta-feira, na cerimónia de assinatura do protocolo de financiamento do Museu de Arte e Cultura.

Apoiada pelo Programa Valorizar, dinamizado pelo Turismo de Portugal, a candidatura vai permitir à autarquia criar e melhorar as condições de acessibilidade física e comunicacional do equipamento, atualmente encerrado, bem como disponibilizar informação sobre os recursos turísticos e patrimoniais da cidade em formatos acessíveis. O valor do investimento ascende aos 200 mil euros, tendo sido aprovado um apoio de 180 mil euros. Na ocasião foi também apresentada a rede “Covilhã Wi-Fi”, inserida no mesmo programa e que representa um investimento de cerca de 60 mil euros. Trata-se de dotar o centro histórico e as principais zonas de afluência de turistas, como os jardins da cidade, as Penhas da Saúde, Unhais da Serra e Sobral de S. Miguel, de rede Wi-Fi gratuita. Segundo revelou Ana Mendes Godinho, é a primeira implementada e já a funcionar em Portugal.

Para Vítor Pereira, a Covilhã é «uma cidade vocacionada para o turismo», que quer “intensificar cada vez mais essa atividade», tendo acrescentado que é «a quinta cidade da região Centro com maior afluência turística», segundo dados do INE», conforme noticiou O INTERIOR na última edição. «Temos um potencial incomensurável e muito para explorar ou dinamizar», sublinhou o autarca. A cerimónia já mereceu críticas do antigo presidente da Câmara, que acusa o executivo de Vítor Pereira de ter «destruído e abandonado» um museu que, até 2013, tinha «centenas de visitantes diários». «Destruiu-se e encerrou-se um museu, desconhece-se o paradeiro do espólio retirado, não se abriu inquérito, como era exigido, para se apurarem responsabilidades e agora um membro do Governo presta-se a cenas de imbecilidade institucional para “celebrar” a recuperação do que se destruiu», escreve Carlos Pinto em comunicado.


Votar:
Resultado:
55 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.