Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 07-12-2017
Pesquisa:

Secção: Opinião

O chumbo cego e o sectarismo
Tempo de leitura: 4 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

No dia seguinte a ter chumbado todas as 82 propostas de alteração ao OE 2018 apresentadas pelo PSD, prejudicando com isso todos os portugueses, o governo disse que iria “procurar o PSD e o CDS” para as “matérias estruturantes”. Para lá da evidente desfaçatez do Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, o mesmo que em tempos gritava triunfante que “O PS não precisa da direita, nunca mais, para governar”, registe-se a confissão da incapacidade do governo em iniciar qualquer reforma estruturante do país.

E não foram só graves os chumbos de propostas como o da aprovação de uma comissão para criar um Estatuto Fiscal para o Interior, ou da isenção de IMI para 2017 e 2018 para os imóveis que arderam nos incêndios porque eram boas propostas, foram “gritantes” na falta de decência e na absoluta falta de justiça social daqueles que na rua dizem uma coisa e no Parlamento fazem outra. Como é possível quererem obrigar quem perdeu a casa que levou uma vida inteira a construir, a pagar imposto por um bem que desgraçadamente já não tem.

E tratou-se de uma vergonha e de uma absoluta falta de decência porquê? Por serem questões demasiado importantes para a vida das pessoas que sofrem e para um país interior que definha, mas também pelo simples facto de as propostas terem sido chumbados com o único argumento de que eram do PSD.

O embuste

O combate às profundas assimetrias na repartição territorial dos serviços estatais alcança-se pela “deslocalização” pensada e planeada das suas estruturas. A decisão de transferir a sede da Infarmed para o Porto, não foi nada disso. Tratou-se apenas de um prémio de consolação pelo insucesso da candidatura da “Invicta” à Agência Europeia do Medicamento.

Mas esta decisão acabou por revelar o verdadeiro caráter de António Costa. Dizia o primeiro-ministro que a decisão estava tomada há muito tempo e que a “proximidade entre a agência europeia e as agências nacionais”, era um dos critérios fundamentais para a futura escolha da União Europeia. Mentiu das duas vezes. Nem o Plano Estratégico da Infarmed, homologado a algumas semanas, faz referência a essa transferência, nem a candidatura portuguesa a previa.

O primeiro-ministro e o Ministro da Saúde dizem hoje e desdizem amanhã e de seguida com a maior das desfaçatezes admitem “falha na comunicação da decisão” - seja lá o que isso quer dizer!?!

E assim vai a saúde neste país…

A farsa

Há já quem tenha falhas na memória e quem já não se recorde dos tempos em que os comícios de José Sócrates tinham uns espectadores inusitados. Do tempo em que, a troco de uma refeição, indianos e paquistaneses ajudavam a encher os comícios socialistas. Esse tempo, o tempo da encenação e dos figurantes está de volta. A contratação de 50 figurantes para fazerem perguntas ao primeiro-ministro, recebendo em contrapartida 200 euros, alimentação e deslocações pagas pelo erário público é uma vergonhosa encenação. Aquilo a que o país assistiu na passada semana foi a uma farsa de perguntas ao governo, que custaram aos contribuintes 45.202 euros. Este é um governo que vive para a imagem e para a propaganda em nome das quais a manipulação não conhece limites.

Só para alguns

O Governo resolveu impor limites ao financiamento dos hospitais do SNS por realização de partos por cesarianas.

Reconhecendo naturalmente que a taxa de cesarianas é demasiado elevada no nosso País e saudando as iniciativas conducentes à sua redução, razão pela qual, aliás, criou o PSD, em 2013, a Comissão Nacional para a Redução da Taxa de Cesarianas. Acredito que esse objetivo deve ser alcançado por via de uma melhor e maior informação às mulheres grávidas, sensibilizando também os profissionais de saúde, sobre os riscos inerentes à realização de cesarianas e à indução do trabalho de parto, bem como sobre os benefícios do parto dito “normal”, e não através de medidas cegas que não considerem cada caso, na sua natural complexidade e especificidade.

As pessoas não são uma quota, e muito menos podem ser usadas como arma de arremesso para justificar o subfinanciamento do SNS, uma realidade infelizmente cada vez mais evidente em Portugal.

Por: Ângela Guerra

* Deputada à Assembleia da República, eleita pelo distrito da Guarda e Presidente da Assembleia Municipal de Pinhel


Votar:
Resultado:
47 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.