Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 07-12-2017
Pesquisa:

Secção: Em Foco

Houve cinco barragens consideradas prioritárias no distrito da Guarda mas nenhuma foi construída. Quatro delas nunca saíram do papel e a única que avançou viu a sua construção cancelada no ano passado
Seca coloca barragens na ordem do dia
Por: Luis Martins
Tempo de leitura: 5 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Estudo de 2003 destacava importância dos empreendimentos da Sra. de Assedasse (Gouveia), Girabolhos (Seia), no Mondego, Pêro Martins (Figueira de Castelo Rodrigo), Atalaia (Pinhel) e Sra. de Monforte (Figueira), no Côa
Estudo de 2003 destacava importância dos empreendimentos da Sra. de Assedasse (Gouveia), Girabolhos (Seia), no Mondego, Pêro Martins (Figueira de Castelo Rodrigo), Atalaia (Pinhel) e Sra. de Monforte (Figueira), no Côa  Clique na imagem para a aumentar.
A seca que está a afetar o país volta a colocar na ordem do dia a importância da construção de barragens para armazenamento de água e produção hidroelétrica. No distrito da Guarda houve vários projetos que não passaram de estudos e ficaram na gaveta. Mas o único que viu a luz do dia também acabou por não se concretizar. O INTERIOR recorda-lhe os empreendimentos que um dia foram considerados imprescindíveis «a curto prazo» para incrementar o turismo, viabilizar a hortofruticultura de alto valor acrescentado, regularizar caudais – quer de cheias ou de esteais - ou ajudar no combate a incêndios.

O alerta foi deixado em 2003 por Aníbal Traça, professor da Universidade de Coimbra e coordenador de um estudo sobre os impactes de grandes e médias barragens na região Centro. O investigador referia-se aos aproveitamentos hidroelétricos da Senhora de Assedasse (Gouveia), Girabolhos (Seia), no rio Mondego, Pêro Martins e Senhora de Monforte, no Côa, e defendeu a sua tese num seminário organizado na Guarda pela ENERAREA (Agência Regional de Energia e Ambiente do Interior), onde deixou claro que os argumentos a favor destes empreendimentos são «altamente» positivos em termos económicos e energéticos, enquanto os impactos ambientais são mínimos. O ponto de partida era um estudo sobre 14 barragens na região Centro, encomendado pela então Comissão de Coordenação da Região Centro (CCRC) ao Instituto Pedro Nunes – Associação para a Inovação e Desenvolvimento em Ciência e Tecnologia, de Coimbra, e envolveu investigadores da universidade e especialistas de outras instituições.

Na altura, Aníbal Traça reforçou a importância estratégica destes projetos ao dizer que «ter água em quantidade e qualidade é absolutamente essencial», exemplificando com o caso de Espanha onde a água transformou zonas quase desérticas na «“horta” da Europa». Naquele seminário o professor acrescentou ainda que «os espanhóis aproveitam aquilo que Deus lhes dá, enquanto nós deixamos a água correr para o mar e ficamos sujeitos às vicissitudes climáticas». Palavras que se revelaram proféticas catorze anos depois.

Cinco barragens prioritárias no distrito da Guarda

O projeto da barragem da Sra. de Assedasse (Gouveia) era o empreendimento hidroelétrico mais vantajoso de um conjunto de 14 aproveitamentos de média e grande dimensão que a então estatal EDP admitia vir a construir na região Centro.

A conclusão resultava do estudo realizado sobre os impactos negativos e positivos destas obras e deu origem a uma lista por ordem de prioridades. O trabalho revelava que cinco das barragens consideradas prioritárias estavam localizadas no distrito da Guarda. Eram elas Assedasse (Gouveia) e Girabolhos (Seia), no Mondego, que lideravam a tabela, enquanto Pêro Martins (Figueira de Castelo Rodrigo), no Côa, era considerada a quarta prioridade e Atalaia (Pinhel) e Sra. de Monforte (Figueira de Castelo Rodrigo) ocupavam, respetivamente, o oitavo e décimo lugar.

O trabalho, realizado no âmbito do Programa Energético da Região Centro, teve como base a análise dos potenciais impactos (energéticos, económicos, agrícolas e ambientais) de cada projeto de barragem ou albufeira, bem como a sua importância enquanto reserva de água de qualidade e recurso no combate aos fogos florestais. A ordenação final teve ainda em conta diferentes majorações consoante os impactos considerados, com destaque para a valia elétrica.

A barragem da Sra. de Assedasse integrava o aproveitamento hidroelétrico do Alto Mondego, também constituído pelos projetos de Girabolhos, entre Seia e Gouveia, e Midões. Mas dessas, apenas a de Girabolhos avançou para ser cancelada em 2016. Os restantes cinco empreendimentos nunca saíram do papel, sendo o de Pêro Martins o mais antigo de todos. A ideia de constituir uma grande reserva de água na bacia do Côa germinou na década de 70 do século passado e foi definitivamente projetada em 1986, mas acabou na gaveta dez anos depois com o fim da barragem de Foz Côa. Na altura, os estudos da EDP previam a construção de um conjunto de cinco aproveitamentos: Pêro Martins, Senhora de Monforte – ambos no concelho de Figueira –, e três de captação de água, funcionando em cascata a partir da Atalaia, no concelho de Pinhel.

A opção Pêro Martins voltou à atualidade após os problemas ambientais do Sabor, mas esta última localização foi escolhida para a construção de uma nova barragem no sistema do Douro. Em 2007, o empreendimento de Girabolhos acabou por ser o único a figurar no Plano Nacional de Barragens elaborado pelo Governo de José Sócrates. Mas nove anos depois o Governo de António Costa e a Endesa, que tinha ganho a concessão da barragem, acordaram o cancelamento da sua construção e o ponto final num investimento da ordem dos 400 milhões de euros, o maior alguma vez realizado nos concelhos de Seia e Gouveia. O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, explicou na altura que na origem do cancelamento de Girabolhos estava o facto «das necessidades energéticas não justificarem a sua construção».


Votar:
Resultado:
54 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.