Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 07-12-2017
Pesquisa:

Secção: Opinião

Discussão Pública Sobre o Parque da Cidade
Tempo de leitura: 3 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Na inauguração das obras do Parque da Cidade da Guarda veio Álvaro Amaro comunicar que iria ser lançada uma discussão público sobre o destino de parte das árvores do Parque. Segundo ele, um número indeterminado delas teria cumprido o seu papel e estaria na altura de as substituir por outras. Vão seguir-se pareceres técnicos e discussão pública. Aqui vai o meu contributo.

Antes de mais, convinha esclarecer o que são “árvores que cumpriram o seu papel” (cito de cor). Se são árvores mortas, estou totalmente de acordo, até por uma questão de segurança. Num local público há que prevenir a queda de árvores e ir vigiando o seu estado. Há que cortar ramadas mortas, fazer podas de manutenção, tratar as árvores doentes e arrancar as que sejam irrecuperáveis ou constituam perigo. Por isso, é boa ideia começar por ouvir a opinião dos técnicos e seguir o que nos disserem.

Depois, o critério deve ser o de preservar o arvoredo como está e respeitar o seu ciclo natural. Foram necessárias muitas dezenas de anos para as árvores do parque atingirem o porte que apresentam hoje. Não se corta um cedro com setenta anos para o substituir por outro acabado de sair de um viveiro florestal. A majestade de algumas daquelas árvores está precisamente nos seus muitos anos de vida e para o seu valor contam também os muitos anos que é expectável viverem ainda. Não estamos aqui a falar de brinquedos ou roupas que se possam trocar quando nos fartamos deles ou apareceram outros mais “modernos”. A beleza do lugar é também a sua antiguidade e os sinais que retém dos tempos passados.

Foi isso que se não respeitou no jardim do Solar Teles de Vasconcelos, o chamado “Quintal Medroso”, criminosamente abandonado e vandalizado ao longo de décadas. Esse jardim tinha passado por muitos séculos e mostrava-o em cada recanto. Devia ter sido preservado e mantido e foi aí que a cidade falhou.

Não se queira fazer no parque o oposto, querer intervir de mais onde o que é preciso é apenas isso: manter.

A fazer alguma coisa, sugiro encontrarem-se outras instalações para o call center e demolir o pavilhão onde agora está instalado. Outra boa ideia seria ter respeitado o projecto do arquitecto Nuno Martins, que não foi premiado por acaso, e teria ajudado a que a recuperação do Parque fosse mais simples e mais barata.

Se gostei do que vi? A relva fica muito bem, mas vai custar uma fortuna em água a manter; a estrutura em betão da entrada é de gosto muito duvidoso e não se enquadra nem com o local nem com nada da cidade (ou é uma homenagem aos anos do “dilúvio” de betão?), os bancos em pedra poderão servir para estrelar ovos, quando chegar o verão, ou para acumular frio durante o inverno, as luzes espalhadas pelo recinto são uma boa ideia, os repuxos no lago são arbitrários e pirosos e a “coisa” não parece ter sido pensada para ter por lá crianças a brincar.

Por: António Ferreira


Votar:
Resultado:
48 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.