Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 07-12-2017
Pesquisa:

Secção: Cara a Cara

Cara a Cara - Cátia Ladeira
«Senti necessidade deste livro para ajudar a ultrapassar o receio das crianças»
Tempo de leitura: 5 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Cátia Ladeira
Cátia Ladeira  Clique na imagem para a aumentar.
P- É enfermeira, mas lançou recentemente o segundo livro. Como surge a escrita na sua vida?

R- Tudo começou no ano lectivo 2015/2016, quando foi proposto um Desafio de Escrita Criativa aos pais das crianças que frequentavam a Creche “Mundo da Fantasia”, da Santa Casa Misericórdia da Covilhã, local onde a minha filha mais velha se encontrava. Como tal, escrevi um conto infantil, intitulado “A Pipa e o Amor”, com o intuito da minha filha subir ao palco e receber um prémio de participação; no entanto, também eu tive que subir ao palco para receber uma menção honrosa da história por mim criada. Daqui até ser editado pela Editora Chiado foi um salto muito rápido e que não esperava, sendo lançado este mesmo livro, A Pipa e o Amor, em Março deste ano.

P- De que trata o livro “A Pipa e o Senhor Doutor” e qual a mensagem que pretende passar?

R- Trata-se de um conto infantil, muito colorido, lúdico e aprazível, tendo como objetivo o desmistificar o receio que as crianças têm perante os cuidados de saúde e o hospital, ou seja, o medo que as nossas crianças sentem perante um médico seja apaziguado, e que compreendam que o “senhor da farda branca” apenas os pretende ajudar e deixá-los bons, como aconteceu com a Abelha Pipa.

P- Qual a sua inspiração?

R- Em ambos os livros a minha fonte de inspiração foram os meus dois filhos, a Beatriz de 5 anos e o António de 2 anos. O livro lançado na passada quarta-feira, surge também na relação que aconteceu estes últimos 3 anos entre a minha filha mais velha e o seu pediatra - Dr Ricardo Costa (pediatra e director da neonatologia do Hospital Pêro da Covilhã, e o qual foi o convidado da mesa que me apresentou o livro no dia do lançamento).

P- Já pensa em escrever novas obras?

R- Sim já, no entanto, neste momento estou focada na divulgação e promoção do livro, não apenas ter novas apresentações nas livrarias a que já fui convidada pelo anterior livro (FNAC, Bertrand, Chiado,...), como deslocar-me às escolas e ir ao encontro do meu público-alvo, dando a conhecer o mais possível a Abelha Pipa e a mensagem que com ela acarreta.

P- Onde podem ser adquiridos os seus livros?

R- Neste momento o livro anterior “A Pipa e o Amor” encontra-se à venda nas livrarias Bertrand, FNAC, Chiado; Lojas locais do Fundão e da Covilhã; Plataformas online como Wook, bertrand online, Fnac online. O conto infantil “A Pipa e o Sr Doutor”, está disponível na Editora e Livrarias da Editora Chiado (Lisboa), lojas do Fundão, mas tenho o objetivo de a curto prazo se encontrar à venda a nível nacional, como o anterior. No entanto, posso adiantar, que já tenho um convite para apresentar este novo livro, na FNAC Viseu no início do ano. Contudo, o primeiro livro já se encontra à venda no Brasil, e em breve este segundo também ficará disponível.

P-Considera que as crianças têm sempre algum receio quando veem os profissionais da “bata branca”. Pensa que as instituições de saúde devem desenvolver um trabalho para desmistificar essa ideia? O que falta fazer?

R- Sim, penso que as crianças veem os profissionais de saúde com muito receio, mas o que não deixa de ser normal, pois ao irem para um local desconhecido (hospital) a serem tratados igualmente por desconhecidos, que no fundo lhes provocam dor, é mais do que suficiente para terem medo e sentirem-se confusos. Por esta razão, senti necessidade deste livro, para ajudar a ultrapassar o receio destes sentimentos negativos, através da personificação de uma abelha amorosa. Na actualidade, as instituições de saúde estão cientes desta realidade que existe sobre elas, e sei que tentam desenvolver trabalhos para desfazer esta apreensão das crianças, através do desenvolvimento de projectos interligados com as escolas, como por exemplo, o “hospital do faz de conta”. O que falta fazer? Talvez incutir nas consultas de pediatria o conceito utilizado no “hospital faz de conta”, dando oportunidade da criança vestir a “bata branca do senhor doutor”, e ela própria ajudará o médico a realizar a sua própria consulta, o que não deixa de ser bastante lúdico. Algo que incuti desde sempre aos meus filhos, sendo que hoje em dia, são eles próprios que já querem levar alguns acessórios de medicina para as suas consultas, como por exemplo, o estetoscópio.

Perfil:

Autora do livro “A Pipa e o Senhor Doutor”

Idade: 34 anos

Profissão: Enfermeira

Currículo: Enfermeira no Hospital dos Capuchos entre 2006 e 2008, Enfermeira no Hospital Pêro da Covilhã entre 2008 até actualidade; Entre 2008 e 2014 acumulei funções nos Cuidados Continuados Integrados do Fundão. 2017 - Docente convidada, a tempo parcial, na Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias - Castelo Branco.

Naturalidade: Souto da Casa (Fundão)

Filme preferido: Não tenho, mas gosto de filmes baseados em factos verídicos

Livro preferido: Todos os livros do escritor Dan Brown

Hobbies: Ler quando tenho algum tempo disponível


Votar:
Resultado:
35 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.