Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 16-11-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 09-11-2017

Secção: Opinião

Theatrum Mundi
A Espanha, a Catalunha e nós
Tempo de leitura: 3 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Com quase total unanimidade, os meios de comunicação portugueses descobriram há pouco que existe um processo independentista na Catalunha. Assim, não estranha que o debate se tenha centrado exclusivamente no desafio das autoridades políticas catalãs ao estado de direito espanhol, sem procurar compreender o contexto mais alargado das transformações ocorridas no estado das autonomias e na transição espanhola. A atrair o foco dos media esteve certamente a realização de um referendo não autorizado pelo Estado no dia 1 de outubro, a proclamação da independência pelo parlamento catalão e a suspensão provisória da autonomia da Catalunha.

Aquilo que frequentemente fica de fora do relato da comunicação é que a Espanha das autonomias sempre foi uma criatura política instável, apesar de assente numa Constituição referendada pela população em 1978 e que pôs fim formal à ditadura franquista. Ao contrário do que aconteceu por cá, o fim do franquismo aconteceu por compromisso entre antigas e novas elites, e o modelo político e territorial acabou por refletir esse compromisso santificado pela nova Constituição. Contudo, e enquanto para uns o modelo pactado em 1978 seria o fim do processo, para outros seria apenas o início. Para os nacionalistas bascos e catalães, sobretudo, a Espanha das autonomias prometia os instrumentos que, a prazo, trariam a autodeterminação; para os espanholistas, o aprofundamento das simetrias nas relações políticas e económicas com Madrid.

Tudo sem resolver de vez a questão de fundo da legitimidade política e da soberania: afinal onde estava a nação? Como se comprova nestes dias do final de 2017, esta é a questão de fundo, pois é na nação que reside a soberania e o direito de escolher o futuro coletivo. A Constituição de 1978 reservou o termo “nação” para o conjunto dos espanhóis e o termo “nacionalidade” para bascos, catalães e galegos, mas o assunto sempre foi contestado e esteve no centro de todas as polémicas aquando da aprovação do novo estatuto político da Catalunha, em 2006. Remetendo a “proclamação” da nação catalã para o prólogo desse estatuto, as instituições políticas e judiciais espanholas esperaram retirar legitimidade aos catalães para decidirem soberanamente o seu futuro coletivo, mas uma maioria parlamentar, desde as eleições autonómicas de 2015, favorável ao direito a decidir tem mobilizado a cidadania em favor desta opção. A utilização de medidas extremas por parte do Estado espanhol, como a suspensão da autonomia e o encarceramento dos membros do governo catalão, acusados de rebelião, acaba por polarizar as posições na Catalunha e cava ainda mais fundo o fosso crescente entre independentistas/soberanistas e unionistas.

Face a isto, a posição do governo português foi de total seguidismo do governo de Madrid. Há poucos dias, o correspondente da televisão pública alemã em Bruxelas deu a conhecer uma nota enviada pelo governo espanhol aos seus homólogos europeus onde sugeria argumentos em três parágrafos de repúdio à declaração de independência da Catalunha. No mesmo dia, a televisão pública catalã apresentava a declaração oficial do governo português sobre o assunto como cópia exata das instruções de Madrid. Uma coisa é certa, independentemente de qual seja a sua posição oficial, o governo português tem todo o interesse e a responsabilidade de definir uma posição própria sobre a Catalunha, a partir de princípios de justiça internacional que a própria constituição portuguesa estabelece.

Por: Marcos Farias Ferreira


Votar:
Resultado:
40 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.