Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 16-11-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 09-11-2017

Secção: Sociedade

Obra que vai transformar edifício histórico do Pelourinho no Centro de Inovação Cultural custará cerca de 4 milhões de euros
Requalificação do Teatro Municipal da Covilhã adjudicada
Tempo de leitura: 2 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

foto
 Clique na imagem para a aumentar.
A Câmara da Covilhã adjudicou, por unanimidade, a requalificação do Teatro Municipal da cidade ao consórcio formado pela MRG Construction e a Ramos Catarino SA, um dos cinco concorrentes, por cerca de 4 milhões de euros. O prazo de execução é de doze meses.

A empreitada vai transformar o histórico edifício num novo Centro de Inovação Cultural e tem cofinanciamento assegurado através do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) da Covilhã. De resto, o executivo aprovou, por unanimidade, a contração de um empréstimo bancário de 736 mil euros para assegurar a componente nacional da obra. O início dos trabalhos está agora dependente do visto do Tribunal de Contas: «O meu desejo é que o visto possa chegar ainda antes do final do ano para que a obra comece o mais rapidamente possível, uma vez que se trata de um equipamento que faz falta à Covilhã», disse o presidente do município, que espera o equipamento fique pronto no final de 2018. A reabilitação do Teatro Municipal destina-se a dotar a cidade de uma moderna infraestrutura cultural. A traça exterior do edifício vai ser mantida, mas no interior a reestruturação será completa, estando prevista uma redução da lotação da sala principal para 600 lugares.

O futuro teatro vai ter mais quatro espaços de programação servidos por uma equipa de produção, um centro de exposições e zonas de trabalho para projetos ligados às indústrias criativas e culturais. Haverá ainda uma sala de aprendizagem pedagógica, gabinetes de trabalho, duas cafetarias, uma livraria e duas salas de arrumos. Para o autarca, «o novo Teatro será um espaço potenciador da massa criativa da cidade e afirmará a Covilhã como o principal centro de produção cultural no interior do país». Único eleito da oposição presente na reunião de Câmara, Adolfo Mesquita Nunes (CDS-PP) votou favoravelmente a decisão de adjudicação e a contração do empréstimo, mas chamou a atenção da maioria PS para a necessidade de um plano para a rentabilização do equipamento. «Pedi à Câmara que me fizesse chegar e que divulgue os planos que tem previstos para o Centro de Inovação Cultural porque, se não houver estratégia, a seguir à abertura a autarquia fica escrava do equipamento e vai gastar dinheiro a mantê-lo e não numa boa programação», declarou o centrista aos jornalistas no final da sessão.


Votar:
Resultado:
45 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.