Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 16-11-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 09-11-2017

Secção: Atualidade

Até maio não se pode caçar em 96 dos concelhos mais afetados pelos incêndios
Tempo de leitura: 2 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

foto
Até 31 de maio de 2018, a caça ao coelho, lebre, perdiz e codorniz e a toda e qualquer espécie cinegética, nos terrenos ardidos com área superior a 1000 hectares, bem como numa faixa de proteção de 250 metros em torno destas, vai ser proibida, avança o “Diário de Notícias” esta quinta-feira.

Ao todo, vão ser 96 os concelhos em que a caça vai ser interdita. Trata-se, é claro, de uma medida para facilitar a recuperação da população das espécies animais que também foram afetadas pelos incêndios deste verão. Segundo o “DN”, a destruição de espécies selvagens causada pelos incêndios florestais levou a duas portarias que limitam e restringem a caça nas zonas queimadas: uma foi publicada a 15 de setembro, por causa da devastação em junho nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos.

Já a 3 de novembro, foi publicada outra que alarga as restrições a 96 concelhos do país, dado o alcance dos fogos de 15 de outubro no norte e no centro. «Este ano, que foi atípico e anormal, houve necessidade de adotar medidas mais rígidas», diz o tenente-coronel Joaquim Delgado, responsável pela divisão da Proteção e Vigilância Florestal do SEPNA (Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente) da GNR, ao “DN”.

«Com a portaria, pretende-se proteger as espécies que sobreviveram aos incêndios porque ficam confinadas a uma área não ardida muito pequena. São os casos da perdiz, do coelho, da lebre ou da codorniz», explicou o oficial. «Por outro lado, fica também definido que a caça às aves migratórias como o pombo ou o tordo, que vai agora começar, será restrita a dois dias por semana nas zonas atingidas pelos incêndios nos distritos de Castelo Branco, Coimbra, Guarda e Leiria», sublinha.

Segundo a portaria 333-A, de 3 de novembro, caberá às associações de caçadores comunicar, por escrito, ao Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), os dois dias em que irão caçar espécies migradoras.


Votar:
Resultado:
70 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.