Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 07-12-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 05-10-2017

Secção: Opinião

Tresler
Autárquicas e futuro
Tempo de leitura: 4 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

As eleições de 2017 na Guarda vieram confirmar vários fenómenos. Em primeiro lugar, as maiorias autárquicas só se perdem pela fraqueza de dentro. Bem gerida a comunicação, bem convertida em propaganda, as maiorias mantêm-se, salvo se algum fenómeno extraordinário ocorrer (como há quatro anos com a cisão no PS) ou se se fizerem mesmo muitas asneiras. Um mandato que foi de muitas pequenas coisas viu-se mesmo assim transformado num enorme sucesso. Em seguida a forte máquina política do presente executivo da autarquia conseguiu aliciar com eficácia para as suas listas eleitos de outros partidos ou “independentes”, assegurando muitas migrações. Acresce que um mandato de 4 anos é pouco para se mostrar o que se vale e portanto ainda não era altura de o fruto cair.

A robustez da vitória, que era previsível, baseou-se numa governação “popular”, de satisfação de pequenas e reais necessidades e de espavento e cultura acessível e gratuita, sem desafios. Os eventos como feiras e festas populares contentam o eleitorado mas têm ainda de demonstrar que não esgotam o seu efeito no final. A generosidade na oferta de recursos a agremiações e juntas por projetos apresentados à Câmara, com cerimonial e beija-mão na entrega dos cheques, ajudou também à votação. Que tal um acordo de regime para acabar com estas cerimónias que já vêm de anteriores mandatos?

A governação popular tem, no entanto, o seu reverso. Governa-se para o imediato, calculam-se proveitos imaginários e o que é estruturante não se constrói. Todas as listas que concorreram frisaram sobretudo como prioridades a criação de emprego e o turismo, em que a Guarda continua fraquíssima e quase sem ideias. Volta sempre a estafada ideia do centro histórico da Guarda. Mas se, depois de décadas de discussão, não se conseguiu vislumbrar um caminho, não seria altura de deixar de encontrar desculpas para a fraca procura turística da Guarda? Por outro lado, as dificuldades em criar emprego são mesmo reais e os empregos não nascem por um simples gesto voluntarista. Estiveram 308 concelhos na campanha a gritar alto que querem criar emprego no seu território.

Do outro lado, a “seriedade” da campanha do PS foi o trunfo encontrado por este partido na Guarda, mas foi também o seu busílis: faltou emoção e entusiasmo na coreografia dos grupos que circularam pelo concelho, não tendo bastado o regresso dos que se autoafastaram em 2013, com o candidato à Câmara a apalpar terreno até ao fim. Emoção e festa só na campanha da lista vencedora, fruto de uma estratégia de captação de apoiantes jovens muito eficaz. E convenceu que aquilo que não fez fará nos próximos quatro anos. Quanto ao PS, esqueceu-se que quem perde uma Câmara pela primeira vez de forma clamorosa tem a tendência de descer ainda mais um degrau.

Por outro lado, foi notória a real vontade de participação política de muitos independentes ou de mal alinhados nos próprios partidos, tão patente há 4 anos com a lista independente que partiu o PS ao meio. Esta onda de participação, que continuou agora, teve concretização na entrada de muitas caras dessas nas listas da maioria e da oposição ou no regresso a um PS sem cismas, mas ainda enfraquecido, com pouco treino e a acordar tarde para a contenda. É aliás de salientar que estes independentes ou desalinhados se foram espalhando democraticamente pelas diversas listas do cardápio, donde se comprova a real vontade de participação destes candidatos e a pouca espessura da ideologia na opção autárquica. Da esquerda passaram à direita ou da direita à esquerda, sem medo de pecar. Muitas vezes, para além da vontade de participar e influenciar a vida pública, foram mesmo afinidades de profissão ou de mesa de café que aliaram cumplicidades. Para muitos, no entanto, depois de duas chapeladas será o regresso à base.

Finalmente, o fenómeno de personalização das autárquicas com um dinossauro robusto e vencedor aqui na Guarda não deixou que as tendências nacionais se impusessem, levando também a fenómenos massivos de arrastamento da votação das Juntas para Câmara e Assembleia (um fenómeno copy-paste, que o partido maioritário dominou bem). Por outro lado, o CDS não foi compreendido na sua separação de um PSD vencedor e o facto de ter servido de “barriga de aluguer” para um conjunto de não-alinhados não funcionou bem na Guarda pela ambiguidade que criou na cabeça dos eleitores. Tornaram-se atrativos a uma margem mas foram água e azeite ao mesmo tempo. A fasquia era muito alta.

A Guarda enfrenta agora, como todos reconhecem, os desafios da atração de pessoas e empresas. Não vai ser fácil mas as prioridades das diversas forças políticas não eram afinal muito diferentes: atração de empresas, ligação à Serra da Estrela, renovação do centro histórico, construção de estruturas fortes para atrair o turismo, recuperação da Praça Velha, abertura do Hotel Turismo, condições decentes para a feira quinzenal. Que daqui a 4 anos estejamos a falar aqui de problemas menores.

Por: Joaquim Igreja


Votar:
Resultado:
56 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Comentários dos nossos leitores
Carlos Esperançaaesperancaenator@gmail.com
Comentário:
Sem conhecimento da realidade atual da minha cidade, não posso deixar de reconhecer a qualidade e a clareza de uma análise que certamente é certeira.
 

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.