Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 07-12-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 05-10-2017

Secção: Opinião

1 de outubro
Tempo de leitura: 3 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Há uma leitura nacional a fazer dos resultados das eleições autárquicas do passado domingo. O pior resultado de sempre do PSD, principal partido da oposição, e o melhor resultado de sempre do PS, partido que governa, não pode deixar de trazer consequências além da eleição dos representantes nas 308 autarquias e 3.092 freguesias do país. É inequívoca uma mensagem geral do eleitorado que arrasa com a oposição PSD, os seus pressupostos e a sua liderança. Se esta se fixou num discurso de ilegitimidade da solução governativa, pois bem a democracia acaba de fazer saber o que pensa sobre esse discurso. Na verdade, o eleitorado está a sugerir ao PSD que perceba como tem estado refém de um trauma e que já é hora dele ser ver livre. Obviamente, com este péssimo resultado não vem nenhum colapso ao PSD, que mal dê a volta aos seus fantasmas na história política mais recente do país, e a conjuntura favoreça, estará aí de novo.

Mais complexa é a situação do PCP, o outro anunciado derrotado da noite eleitoral, com a perda de 10 autarquias, algumas delas bastiões fiéis de décadas. Este não tem de ser um recuo irreversível. Há 4 anos os comunistas recuperaram autarquias que haviam perdido em 2009, dizia-se, irreversivelmente. Contudo, é verdade que, para reverter a erosão eleitoral, o PCP, ou a CDU, tem de levar muito mais a sério a sua representação social, a começar pela escolha de candidatos. Não é com candidatos que vão à festa do Avante, mas com candidatos que sintam na pele a precariedade e a exclusão social que um partido de classe se firma. Muito mais socialmente representativo do que cantar Sérgio Godinho ou Zeca é viver as realidades sociais cantadas.

1 de outubro ficará na História, porém, não pelas nossas eleições autárquicas, marcadas por uma maturidade no voto assinalável, mas pela guerra de nervos e empurrões na Catalunha. O que se passou é inaceitável. Não se usa a violência como instrumento político, como bem fez saber a Comissão Europeia. Não se podem mobilizar milhares de agentes da autoridade para atingir e agredir civis, aliás de todas as idades, apenas porque o que estão a fazer não tem reconhecimento jurídico. É demasiado errado. Restabelecer a ordem legal não é justificação para estas manifestações de força. Falta-lhes a proporção, falta-lhes sobretudo a compreensão do que está ser atingido e ferido – não um nacionalismo, não um radicalismo perigoso, mas o valor central do direito da divergência e do protesto diante do que se considera, com mais ou menos razão, injusto. O Estado espanhol não está assim a repor ordem democrática, mas a humilhá-la. Se o que está em causa é a Catalunha querer continuar dentro de Espanha, sem a isso ser forçada, o melhor que Rajoy tem a fazer é mesmo demitir-se.

Por: André Barata


Votar:
Resultado:
52 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.