Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 22-06-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 18-05-2017

Secção: Opinião

Vasco Queiroz
Tempo de leitura: 2 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Poderia escrever apenas sobre as coisas de que o Vasco me ensinou a gostar, como Florença, a praia fluvial de Verdelhos, aquela curva de rio perto de Maçaínhas, ou uma certa perspetiva da praia de Quiaios em direção à Figueira da Foz. Poderia contar-vos como lhe telefonava de qualquer lado e perguntava: “Vasco, estou algures no meio do Alentejo, perto de (sei lá onde), onde devo ir almoçar?” – e ele me sugeria um sítio onde iria voltar muitas vezes. Ou então as coisas aparentemente difíceis que ele transformava em coisa pouca: “Vasco, dói-me (aqui, ali), é desta?” e ele me explicava em meia dúzia de frases certas que não, que não era desta, mas que não me faria mal nenhum ter mais juízo e que aquele medicamento me iria fazer muito bem. E fazia.

Ou então como me explicava os truques da má medicina, ou as habilidades de charlatão da indústria farmacêutica, com a criação de doenças que na realidade não existem e servem só para vender medicamentos que não servem para nada. Ou as histórias mal contadas do sal e do colesterol, ou a vergonha das estatinas.

Houve uma altura em que assinalávamos o início dos dias mais longos e soalheiros com um jantar nas Casas do Bragal, em maio ou junho de cada ano. Chegávamos lá ao fim da tarde e pedíamos dois Dry Martinis (shaken, not stirren). Enquanto nos preparavam a mesa lá dentro, apreciávamos o pôr-do-sol na esplanada, de copo na mão. Depois, era conversa até às tantas.

Como dizia na semana passada o Fernando Pereira (um amigo que ganhei com o Vasco), ele era o melhor de nós todos. Não se lhe ouvia dizer mal de alguém, não se lhe conheciam ódios de estimação, tentava ser sempre justo, estava sempre disponível, queria sempre a verdade em tudo.

Sabíamos já, quando ele ficou doente, que era muito difícil não o perdermos, tão grave era seu estado de saúde. Tínhamos todos uma secreta esperança de que no final ia tudo correr bem, que o Vasco, na vigésima quinta hora iria salvar-se, mas não aconteceu o milagre.

No ano em que o Trapattoni levou o Benfica ao título, após uma década de jejum, o Vasco lançou o desafio, em maio: “Se o Benfica for campeão, vamos todos “de pé” a Fátima, almoçar ao Tia Alice!” e desviando-nos cuidadosamente do santuário. Iríamos de pé, no comboio, e alguém nos iria buscar depois numa ou duas carrinhas alugadas, conduzidas de preferência por adeptos do Porto ou do Sporting. Nunca cumprimos a “promessa” mas ficou a ideia. Não sei se teremos coragem de ir este ano, que passou muito pouco tempo desde o dia em que o perdemos, mas teríamos muitas memórias dele a partilhar entre todos.

Por: António Ferreira


Votar:
Resultado:
67 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Comentários dos nossos leitores
Manuela Sampaiomanusamp@hotmail.com
Comentário:
Sempre me comovo com demonstrações de afectos! Hoje, além da tal comoção, veio tb o pensamento sobre a diferença das amizades femininas e masculinas... não sei se alguma mulher escreveria texto semelhante sobre uma sua "Amiga",. Talvez por isso tenha mais amigos homens....
 
M. C. M. F-saoferreiramarques@sapo.pt
Comentário:
TUDO O QUE SE DIZ SOBRE O Dr.VASCO, O VASCO, O VASQUINHO, SÃO MEMÓRIAS QUE CADA UM DE NÓS, JAMAIS ESQUECERÁ,POIS A SUA SIMPLICIDADE, INTEGRIDADE,SABEDORIA, HONESTIDADE,AMIZADE,ALEGRIA,ESPONTANEIDADE,SÃO CARACTERÍSTICAS MUITO PRÓPRIAS.
 

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.