Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 17-08-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 20-04-2017

Secção: Opinião

Queijos, marquises e outras invenções
Tempo de leitura: 3 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Ouvindo os Europe, ignorando DST´s e envergando fartos bigodes e inflexíveis permanentes, os anos 80 corriam loucos. A obra pública e privada avançava tendo apenas como travão um Adamastor chamado taxa de juro. Nascia o modelo “sustentável” de crescimento do PIB português. O banco financia, a obra arranca e com o tempo e sorte paga-se. A entrada na CEE, os fundos estruturais e a entrada no Euro foram, cada um a seu tempo, completando o Eldorado Português, uma anfetamina com efeitos colaterais difíceis de antecipar.

A Guarda, cidade que em séculos pouco se tinha aventurado para lá da muralha, lança-se pela encosta ao encontro do caminho-de-ferro e pelo caminho, com poucas e honrosas exceções, deixa um rasto que nos faz corar perante forasteiros tal a falta de ambição na construção de uma cidade mais congruente. Para trás ficavam questões menores de harmonia, equilíbrio, beleza e caracterização. Neste contexto, o fascínio pela caixilharia surge como forma de afirmação rápida na conquista de espaço vital. Um vírus que rapidamente dizimou a cidade, classificado de “Love on Top” de pouca vergonha urbanística, e estavam assim lançadas as bases para essa grande instituição nacional, a marquise.

Praticamente indiferente e imune a esta febre do alumínio, protegido por um paredão legal que atempadamente conseguiu prever a hecatombe que se projetava ao longe, continuava o velho e medieval casco do centro histórico, que perdendo centralidade e consequentemente habitantes e importância, preservava a identidade da cidade. Aquilo que a torna distinta entre tantas outras. Sim, porque nas marquises somos iguais à Damaia.

Ainda assim, e num crescendo de projetos, movidos por uma sede alucinante de reabilitação sem rumo definido, e decisões no mínimo questionáveis, houve quem olhasse para um dos mais emblemáticos edifícios da cidade e tenha pensado: “O que esta praça necessita para adquirir dinamismo é um estabelecimento público que venda queijos da serra... e se possível numa marquise a executar nos antigos Paços do Concelho”. Até me podem dizer que não fere o PDM, que a providência cautelar não faz sentido, que o caixilho não é de PVC e que é latão… porque o que é verdadeiramente uma lata é continuar sem soluções de fundo para o centro histórico e começar por partir um incisivo central intacto quando o resto da dentadura está podre e esperar um sorriso bonito na fotografia. Não acontece com essa intervenção, nem com policarbonatos impossíveis, nem com telas mágicas ou elevadores.

Já tivemos a nossa dose de inércia quando, cumprindo todas as normas legais, estudos de impacto ambiental e toda a cartilha moral de Dijsselbloem, assistimos à colocação de redomas de ferro e vidro exatamente em frente à muralha, monumento nacional, na Av. dos Bombeiros Voluntários Egitanienses, com o brinde de nunca terem sido terminados. Aceitar agora este projeto tal como está, sem saber sequer se algum dia será a sede da CIM Beiras e Serra da Estrela, o nosso prato de lentilhas, é que merece reflexão sociológica. Como pode uma cidade deixar que uma entidade multimunicipal que abriu em Salamanca uma loja com estas características e não a conseguiu manter aberta um ano nos quer convencer que aqui será diferente? E acreditem, deve ser bem mais difícil encontrar um bom queijo da serra em Espanha.

Por: Pedro Narciso


Votar:
Resultado:
49 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.