Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 23-02-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 16-02-2017

Secção: Política

Líder do PSD participou, na Guarda, no “Congresso da Coesão Territorial - O futuro dos territórios”, organizado pela JSD
Passos Coelho acusa Governo de não ter descentralizado «uma competência»
Por: Luis Martins
Tempo de leitura: 2 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Congresso reuniu no pavilhão do NERGA mais de 300 participantes de todo o país
Congresso reuniu no pavilhão do NERGA mais de 300 participantes de todo o país  Clique na imagem para a aumentar.
Pedro Passos Coelho considera que o atual Governo ainda não descentralizou «uma competência» para os municípios e não apresentou um único projeto nessa matéria.

«Já fizeram muita coisa mas ainda não apresentaram sequer um projeto. Têm andado em discussão com a Associação Nacional de Municípios, fizeram uns quantos anteprojetos a mostrar as intenções que tinham e a ANMP já disse que será realmente criminoso perder esta oportunidade», afirmou o presidente do PSD na Guarda, no domingo. Para o líder social-democrata, «tudo aquilo que foi discutido com o Governo não passou das intenções gerais e de superficialidade». Passos Coelho presidiu à sessão de encerramento do “Congresso da Coesão Territorial - O futuro dos territórios”, organizado pela JSD, tendo referido os casos da descentralização e da recapitalização da CGD como dois exemplos da «inatividade» do Governo. «Ao fim de quase ano e meio ainda não fizeram nada, ainda é só conversa para os jornais e para as televisões. A conversa é geral, ainda não discutiram com profundidade coisa nenhuma, mas já vão aprovar», rematou. Passos Coelho falou ainda de coesão territorial e da necessidade de ser feita uma reforma do Estado com base numa «abordagem global» e não de «forma casuística», observando que «deste Governo não se conhece nenhuma ideia sobre reforma do Estado».

Por sua vez, Álvaro Amaro, presidente da Câmara da Guarda, sublinhou que a coesão territorial é «um problema que os políticos têm que resolver. Mas não temos conseguido e já não temos muito mais tempo», alertou o também líder dos Autarcas Sociais-Democratas. O edil sugeriu três medidas públicas que ajudariam a corrigir as assimetrias entre litoral e interior: incentivar os jovens do ensino superior a estudar no interior, «coragem política» para o IRC ser progressivo e a descentralização do Estado. Álvaro Amaro partilhou ainda a sua preocupação por, no âmbito da revisão da carta educativa da Guarda, o especialista que está a elaborar o documento referir que «em 15 anos, o distrito da Guarda perdeu 30 mil pessoas». E que em 2031 poderá haver no concelho da Guarda «menos 2.200 crianças e jovens em idade escolar do que em 2011». O congresso reuniu no pavilhão do NERGA mais de 300 participantes de todo o país.


Votar:
Resultado:
41 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.