Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 19-10-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 12-12-2013

Secção: Opinião

A Devida Comédia
Tempo de leitura: 3 m
 
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

“As aparências enganam, mas enfim, aparecem, o que já é alguma coisa, comparado com outras que, vamos e venhamos, talvez, nem tanto.” (Catatau. P. 113)

Podia aproveitar esta última crónica de 2013 para vir balancear um ano que não deixa saudades a quase ninguém. O quadro que se vai vivendo não augura nada de bom para os próximos anos e convenhamos que com certos protagonistas o melhor mesmo é fazer cair as expectativas para níveis ridiculamente baixos.

Como no próximo ano haverá eleições para um parlamento europeu apartheidizado, só me resta esperar que não apareçam de novo por aí os putativos candidatos dos partidos tradicionais ou os emergentes a prometerem transformar o interior na terra “onde corre o azeite e o mel”, a exigirem, nem sei muito bem a quem, que o interior tenha direito a descriminação positiva nalgumas medidas e outras minudências habituais.

Fiquem por Lisboa a comer febras, coiratos, entremeada com minis e vinho amartelado por entre gente que talvez tenha paciência para lhes aturar a verborreia adaptada às circunstâncias, no meio de sorrisos forçados e cumprimentos de indisfarçável cinismo. Quantas vezes se viram, pelo tal Interior, um deputado europeu e alguns nacionais a procurarem inteirar-se do que por aqui se passa? Talvez tenham razão, aqui passa-se cada vez menos e a minha opinião de há mais de vinte e cinco anos mantém-se: o Interior está acabado e, na geração mais próxima, não há volta a dar-lhe.

Descontinuemos este exercício catártico, quase permanente de esconderijar a incapacidade deste interior se regenerar ou de vir alguém de fora mudar o que quer que seja. Quando vem alguém com essas características, normalmente só acrescenta pior ao mau que já por cá se tem.

Anda tudo preocupado com a licenciatura do Relvas, de novo. Acho mesmo que o tal Relvas até podia ter um doutoramento que pouca gente acreditaria que conseguisse fazer alguma das opções do quinto ano do tempo anterior à reforma do Veiga Simão. Já vi tanto licenciado dessa forma ou aparentado que só me aborrece mesmo é que se perca tanto tempo a dar visibilidade a certos casos para não se falar do essencial. Já vivi o suficiente para saber onde se compram cursos, o preço e outras coisas do tipo, como ter assistido a uma oral de direito penal num aeroporto e outra de uma cadeira de história na mesa de um café. Não assisti a mais porque às vezes as comemorações prolongavam-se para além do que seria normal.

Por falar nisto, e porque também soube que houve muitos “trabalhos de grupo” de licenciados que foram feitos por assessores contratados para apoiar certos políticos ascendidos ou em ascensão, e ei-los a arranjarem uma universidade de vão de escada por aqui ou na “estranja” para aumentarem mestrados aos currículos. Também é recorrente certos políticos no ativo contratarem conselheiros para “escreverem” livros sobre temas que nem uma reles cultura de lombada lhes permitiria ter e ei-los a fazerem apresentações com alguns intelectuais de “Caras” ou “Lux” disponíveis para avalizar tão surpreendente revelação.

Como o Natal está à porta talvez possam comprar alguns livros desses. Ou, quem acha que não gosta de políticos, que compre um de um daqueles jornalistas que escreve a metro, trabalha noutras coisas e investiga para escrever!

Boas Festas já que festas boas só para os santos populares.

Por: Fernando Pereira


Votar:
Resultado:
121 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Comentários dos nossos leitores
Rogério Pereirarogeriop2010@gmail.com
Comentário:
Li o texto, de fio a pavio... e fico com a impressão de que o interior deitou a toalha ao chão... a propósito, recorde-me o resultado das últimas eleições autárquicas
 

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.