Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 07-12-2017
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 12-12-2013

Secção: Cultura

TMG
A alegoria do fim em “Yerma”
Tempo de leitura: 1 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

foto
João Garcia Miguel é o diretor e encenador de “Yerma”, um projeto de teatro performativo que sobe ao palco do pequeno auditório do Teatro Municipal da Guarda (TMG) amanhã, pelas 21h30. A origem é o poema dramático homónimo de Federico García Lorca, em que a esterilidade de um casal se debate na perspetiva da mulher, Yerma.

Aqui, a figura principal é sinónimo de falência dos argumentos racionais, sendo o corpo sacrificado quando já não consegue construir as palavras. A obra de García Lorca explora o poder da impotência em várias dimensões, num conflito que se constrói entre o estabelecido e a vontade individual, onde os universos interiores parecem destinados a destruírem-se. O desentendimento do casal Yerma e Juan descobre tensões múltiplas – que envolvem também outros personagens –, que precipitam o fim das suas vidas, cujo «sentido maior» se perdeu.


Votar:
Resultado:
114 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.