Última Hora | RSS RSS | Arquivo | Ficha Técnica | Classificados | Inquéritos | Fórum | Futebol | Tempo | Farmácias | Publicidade | Newsletter | Pesquisa Avançada | Contactos | Área de Assinantes
Edição de 28-08-2014
Pesquisa:

Arquivo: Edição de 07-06-2007

Secção: Opinião

observatório de ornitorrincos
Sempre em pé
Tempo de leitura: 3 m
Bookmark and Share
Aumentar Tipo de LetraDiminuir Tipo de Letra

Spencer Tunick é um artista americano. Um artista moderno. Atenção, não é dos que pinta abstractos nem dos que cola bocados de lixo em motorizadas antigas. O senhor fotografa. Ele chama-lhe instalações. A metodologia é simples. Pede a umas centenas ou milhares de pessoas que se dispam, que se juntem o mais que puderem e tira-lhes fotografias. Antes dos leitores abandonarem a correr os seus pacatos empregos de revisor de contas para ir a correr comprar uma máquina fotográfica com grandes angulares, saibam que quem se despe para as fotografias de Tunick não são rapazes e raparigas como os que aparecem nas revistas que o/a leitor/a esconde do respectivo cônjuge na última gaveta da mesinha de cabeceira. E mesmo que fossem, também não vejo motivo para tanto alarido. A nudez é assunto sobrevalorizado, principalmente antes do tratamento necessário, com aplicação de óleos, cremes e filtros de Photoshop.

Conclusivo no caso das brincadeirinhas de Tunick é o efeito massificador da psicologia das multidões. Se eu pedisse a meia dúzia de pessoas – repare-se como nem me atrevo a dizer dezenas ou centenas – que se despissem na rua para lhes tirar uma fotografia, era, numa versão pessimista, enfiado numa cela da PSP ou, numa versão optimista, esbofeteado e pontapeado pelas jovens inquiridas para participar nessa experimentação de arte contemporânea. No entanto, um tipo como Tunick anuncia a sua próxima paragem e desde logo os locais se disponibilizam para desfilar em pelota pela rua à frente da objectiva do artista e de centos de pessoas que podem não conhecer de lado nenhum mas que podem muito bem ser os que encontram diariamente nas escadas do prédio. Gosto de imaginar que as exibições públicas de Tunick desinibem as populações visadas pela sua câmara. Vizinhos que se encontram em comunhões nudistas das fotos de Tunick não precisam de voltar a ter pruridos nos seus reencontros ocasionais na vida social das construções horizontais.

- Estão a tocar à porta, Jorge, vais ver quem é?

- Já vou.

- E vais assim? Não vestes umas calças?

- Não é preciso, é a vizinha do 4º C, que esteve comigo anteontem na foto do Tunick.

Apesar de possuir, para fins de investigação científica e pelo vasto interesse dos textos aí publicados, larga colecção de revistas e filmes com raparigas em pelo ou minusculamente vestidas, muitas vezes adquiridas com esforço (as revistas, não as raparigas) e à custa de faces coradas pela vergonha adolescente ou de desculpas adultas ("Vou comprar isto para o meu irmão que ele é um maluco e acha um piadão a isto") tenho basta dificuldade em compreender o apelo colectivo a permanecer algumas horas no mesmo sítio, sem nenhuma roupa, expostos às contrariedades da natureza, manifestem-se elas através da queda de chuva ou da elevação de outros elementos. Mas considero-me acima de tudo um interessado pela arte e por todas as suas manifestações clássicas e contemporâneas. Foi nessa perspectiva de curiosidade sobre a alma criativa do artista que, após leitura atenta de Os Criadores de Paul Johnson, me ofereço publicamente para participar numa próxima fotografia de grupo de Tunick, assim que esta tiver lugar numa rua onde exista uma agência de modelos. Por questões de objectividade metodológica, um investigador tem de ter critérios e uma amostra previamente seleccionada. A bem da ciência, e com sorte, consigo sacar um ou dois números de telemóvel.

Por: Nuno Amaral Jerónimo


Votar:
Resultado:
13 Votos
Imprimir Artigo
Enviar por Email
Comentário Privado
Comentário Publico
Adicionar Favoritos

Diga o que pensa sobre este artigo. O seu comentário será publicado online após aprovação da redacção.

Comentários Nome
Email
Código de VerificaçãoInsira os algarismos da figura
Anónimo
MEO Kanal 401262
© 2009 O Interior | Rua da Corredoura, 80 - R/C Direito C - 6300 Guarda | Telefone geral: 271 212 153 - Publicidade: 271 227 349 - fax: 271 223 222
Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.